segunda-feira, março 10, 2008

O Local do Assalto

Aspecto actual da Ex-Rua Lopes de Mendonça, local escolhido pela Presidente da Câmara Municipal de Almada para implantar as duas ferrovias da Linha 3 (Cacilhas-Universidade) contrariando o estudo das alternativas ao traçado que elegeu a Rua de Alvalade, onde já existem duas ferrovias da linha 2 (Corroios-Pragal) que seriam utilizadas em simultâneo.
Poupavam-se cerca de 400 metros de linha e a renovação desnecessária de infraestruturas existentes no solo.Despesa adicional que actualmente ascende já, a muito mais de 1.200.000 euros.
A obra seria muito mais barata, de menor impacte ambiental e menos prejudicial aos moradores.
Ex-Rua Lopes de Mendonça
Nesta Ex-Rua, a faixa de rodagem deixa de existir para ser substituída por um canal ferroviário de eleição da presidente Câmara, sem qualquer benefício para moradores ou utilizadores do comboio, constituindo elemento perturbador da qualidade de vida dos residentes pelas dificuldades que coloca nas acessibilidades e mobilidade destes, no aumento de ruído e poluição no local.
Acaba com os estacionamentos locais e agrava a circulação rodoviária na área devido ao comboio cruzar a Rua Cidade de Ostrava, um acesso directo muito usado por ambulâncias ao Hospital Garcia de Orta, ao introduzir mais uma passagem de nível sem guarda, no interior da cidade, onde este comboio tem sempre prioridade.
O QUE ERA A RUA LOPES DE MENDONÇA ANTES DE TOMADA DE ASSALTO AOS MORADORES, POR ORDEM DA PRESIDENTE DA CÂMARA DE ALMADA, QUANDO OS ESTUDOS APONTAVAM PARA OUTRA SOLUÇÃO, MELHOR
Aspecto no Inverno
Aspecto no Verão
Aqui a presidente da Câmara de Almada apropriou-se, usando a mentira e não cumprindo o que dissera, de uma rua aos moradores, cujos arranjos exteriores foram pagos por estes, para a entregar à concessionária, com um corredor ferroviário, à revelia dos residentes e exploração dos cidadãos deste pais, que vão pagar os custos acrescidos e excessivos da obra e todos os défices de exploração deste meio de transporte, através de indemnizações compensatórias a que o Estado está obrigado, por força do contrato feito em tempo por governantes deste país.
Cidadão desprotegido é enganado e continua a pagar asneiras feitas por governantes e autarcas.

10 comentários:

Anónimo disse...

A CMA procede como a avestruz.
Os Foruns terminaram? Não querem ouvir as verdades?

Anónimo disse...

No meio de toda esta trapalhada relacionada com o trajecto do comboio (para os adeptos da MES é o MST), e em que a qualidade de vida dos Almadenses é francamente posta em causa, ressalta o facto de o dito cujo comboio não ter uma paragem no Hospital.
Assim se vê a confiança que o Municipio tem na saude dos Almadenses.
Para quê uma paragem, se eles nunca estão doentes?

Anónimo disse...

Este investimento tem como único objectivo transportar "gado" para o comboio da Fertagus... É assim em Corroios (Estação de Corroios). É assim em Almada (Estação do Pragal).
Os milhares de cidadãos que trabalham ou se deslocam ao Hospital Garcia de Orta não contam.
Andem a pé que lhes faz bem à saúde.
Não diz o velho ditado popular que "se o trabalho dá saúde que trabalhem os doentes"?
Quanto aos inteligentes decisores destas soluções, não há problema. Enquanto no activo, fazem-se transportar em viaturas do município (luxuosos carros híbridos, como eles são amigos do ambiente...). Depois de reformados, retornam às suas terras, mais quentes e eventualmente menos mal tratadas que Almada pelos seus "colegas" autarcas...

Anónimo disse...

Como as fotografias da Rua Lopes de Mendonça que deu origem à actual trincheira ferroviária bem documentam, existiam ÁRVORES com algum porte (embora ao longo dos anos sempre mal tratadas pela CMA, quer não as regando, quer não as podando convenientemente).
Até aqui tudo bem, não fora o caso de tais árvores, NÃO CONSTAREM no estudo de impacte ambiental elaborado por altos responsáveis elo Ministério do Ambiente...
Ousamos perguntar se tal estudo não foi feito por medida e à medida dos mais alto interesses, quer dos investidores, quer dos autarcas e demais políticos "pinóquios" a que alguém já se referiu em comentário anterior...
Cidadão informado sofre...
Haverá alguém que consiga desmentir este facto?
Haverá alguém que consiga encontrar a Rua de Lopes de Mendonça no estudo de impacte ambiental a que nos referimos anteriormente?
NÂO. E a razão é simples. Quem o fez, para além de não respeitar os mais elentares direitos dos cidadãos nela residentes, não conhece, nem Almada, nem a sua toponímia (fez um estudo de gabinete...).

Nota:
Para aqueles que não puderem, ou não quiserem, consultar o estudo de impacte ambiental informamos que o mesmo apenas refere a PRAÇETA DE LOPES DE MENDONÇA, designação toponímica que poderá existir em qualquer lado menos no Triângulo da Ramalha, freguesia do Pragal, Concelho de Almada, distrito de Setúbal, Portugal.
Com muita pena um autêncico viveiro de incompetentes e de bananas...
Uma verdadeira República daqueles frutos...

"papagaio" disse...

Quem aqui aparece a elogiar as arvores certamente que também não conhece a Rua Lopes de Mendonça, ( Tal comoquem fez o estudo de impacto ambiental ) ou então tem andado muito distraído.
Ainda bem que foram todas cortadas. Já deveria ter sido há mais tempo.
Só serviam para sujar a calçada, e os carro a que supostamente deveriam dar sombra.
Lembram-se ?...
O.K. Já sei que agora vão aparecer uns iluminados a apelidarem-me de comuna, de estar ao serviço não sei de quê ou até de nunca no passado ter feito nada para que as arvores fossem cortadas e que por isso melhor seria estar calado agora.

Anónimo disse...

Meu caro "papagaio".
Uma coisa é termos árvores de má qualidade na nossa rua e aí estamos os dois de acordo.
Outra coisa é não termos árvores nenhumas...
Quanto à qualidade das árvores que agora foram abatidas, mais uma vez estamos em condições de avaliar a qualidade dos serviços prestados pela CMA aos seus minícipes...
Qualquer especialista de jardinagem sabe exactamente quais as árvores adequadas a um determinado fim, podendo adoptar árvores de folha caduca ou de folha persistente.
Em Almada apenas houve uma preocupação, pese embora o facto de ter (ou ter tido à época da plantação destas) nos seus quadros engenheiros agrónomos. Plantar árvores de crescimento rápido, fossem elas choupos, plátanos ou qualquer outra porcaria como as que agora foram abatidas.
Assim se via a obra feita em três tempos, pois estas árvores são de crescimento rápido...
Quanto à qualidade de vida dos cidadãos a braços com alergias do for respiratório pouco importava...
àrvores de qualidade, embora de rescimento lento, podemos velas nas principais avenidas de outras cidades. Por exemplo no Fundão, onde a avenida principal está adornada com belíssimos exemplares de tílias.
Com em tudo o que acontece agora em Almada, o MST salva tudo:
Árvores novas;
Esgotos novos (muitos deles ainda em estado novo, pois são infraestruturas com uma vida útil da ordem dos quarenta anos ou mais...).
Em Almada só falta realmente é renovar os velhos e caducos autarcas.
Quanto aos nomes, fique descansado, ninguém o vai apelidar de nada.
O que aqui foi posto em causa foi o "estudo de Impacte ambiental" e a forma parcial como foi elaborado. Era sobre isso que gostariamos de obter mais contributos para podermos avaliar da "verticalidade" de todos os "responsáveis" envolvidos...

Anónimo disse...

Pois parece que afinal o anterior anonimo concordada com o desaparecimento daquelas arvores.
No entanto o que se escrevia no blogg era uma critica sumaria á CMA e á obra do MST por terem sido retiradas as arvores sem qualquer juizo de valor acerca das mesmas.
Estamos também de acordo quanto á má qualidade do trabalho prestado pelos Espaços Verdes e Paisagismo da CMA cujos Arquitectos tiveram pelos vistos que sujeitar a especificação das espécies vegetais a objectivos politicos. Todos de acordo.
Agora vejamos. Porque razão se critica desta forma sem se saber sequer se o que aí vem é melhor ou pior ?
Diz-se que não há arvores nenhumas, obviamente porque estamos em obra.
Também se diz que temos poeira, uma rua desfeita e desfeiada, lama, etc etc. Por acaso sabem o que é um estaleiro de obra ? Queriam um estaleiro sem poeira, com arranjos exteriores e sem poeira ou lama ?
Voltemos ás arvores. Então acha que não vão haver arvores ? Quer dizer que conhece o projecto.
Finalmente alguem que conhece o projecto. Pode por favor explica-lo aos seus vizinhos, já que a dizer mal já apareceram muitos mas quando alguem questiona acerca do que se critica parece que não aparece ninguem a dizer qual o projecto que tem sido objecto de tantas criticas.
Bom pelo manos já sabemos por si que não vai haver arvores . Será mesmo ? Conhece outras caracteristicas do projecto que possa partilhar com os seus vizinhos ?
Em nome da legitimação de todas as criticas que aqui têm aparecido que haja alguem que diga o que é que critica. Não venham outra vez com a história da avenida cortada ao meio e outras tretas.
Qual o projecto para as ruas do triangulo da Ramalha ( perfis transversais, cotas altimétricas, materiais de revestimento, arranjos exteriores, mobiliario urbano etc)
Se não souberem explicar, então não podem andar a creiticar e não passam duns idiotas sem credibilidade. Acredito e espero que o não sejam caros vizinhos.

Anónimo disse...

Sr.anónimo vá chamar gado à sua mãe, tenha tento na lingua e respeito por quem trabalha e usa os meios de transporte disponiveis.
Só porque o sr. não tem educação escusa de chamar aos outros o seu nome.
Eu também não defendo o metro mas respeito quem o usa para se deslocar para o trabalho e demais transportes!
Essa linguagem da barraca use-a em sua casa ou onde mais lhe convém.
Se tivesse vergonha na cara pedia desculpa a todos os que usam os transportes nomeadamente o metro e o comboio para irem trabalhar!!
Mete nojo!!!

Anónimo disse...

Tal como noutros Blog, também há por aqui três tipos de visitantes assíduos:
1 - Os Moradores;
2 - Os Agitadores;
3 - Todos os que querem conhecer as tropelias do PCP, Poder Cacique Partidário, dos autarcas de Almada.
No primeiro grupo temos todos os cidadãos defensores dos mais elementares direitos à participação, ao exercício da cidadania, em suma, a uma vida feliz em Almada.
No segundo grupo temos aqueles que, "mandatados por outros", só servem para lançar a confusão em todos os locais onde intervêm, aqui ou nos Foruns do MST onde têm sido um bom exemplo daquilo que não se deve fazer...
No terceiro grupo temos milhares e milhares de cidadãos dos cinco continentes do planeta que ficarão certamente perplexos com a democracia que se vive nesta cidade dormitório de Lisboa, sim porque a este "estatuto" ela foi condenada pelos autarcas que tem no poder há mais de trinta anos...
É tempo de dizermos BASTA!
Com efeito, só um qualquer visitante do 2.º grupo (agitador) poderia interpretar à letra a palavra "gado", ENTRE COMAS.
É por demais evidente que não é a mãe de qualquer comentador...
São apenas os trabalhadores que usam os transportes públicos vistos na óptica do investidor. Percebeu?
Se não está no segundo grupo, como espero, por favor não seja mal intencionado...
O autor do comentário enquanto morador, não o foi.

NoExit disse...

Afinal onde está o projecto da Rua Lopes de Mendonça para discussão pública?
Já que nesta "democracia" não se podem discutir os projectos, ao menos que o apresentem à população.