sábado, abril 14, 2007

"Onde anda a Oposição" ?

A propósito de um "post" com o mesmo título deste, inserido no blog " O Lado Certo" sobre a "oposição" no Concelho de Almada, publicámos no fórum do setubalnarede em 23-02-04, com o título Haverá oposição em Almada ?, o texto abaixo inserido. (Conflito no Plenário nas sessões das Côrtes em Lisboa, em 1821, lusos e brasileiros quase partiram para o confronto devido a medidas penalizantes para o Brasil)

Tem-se assistido no concelho de Almada, nos últimos dois anos, a uma crescente contestação, por parte dos munícipes, a opções ou decisões do elenco camarário que lesam a qualidade de vida das populações ou que põem em causa o futuro do concelho.A opinião dos almadenses não é ouvida e por manobras ditas democráticas, orquestradas à revelia dos almadenses, os munícipes são colocados perante factos consumados ou quase, e praticamente irreversíveis.

Entendemos perfeitamente que nada é feito por mero acaso. Tudo é feito na "melhor das intenções", com muito, mas mesmo muito trabalho e "dedicação" no interesse de Almada. Fazem o melhor por Almada, dizem...Se é tudo feito no interesse de Almada, então as populações estão a ser injustas, porque não reconhecem o esforço e o empenho de quem se "disponibilizou" e se sacrificou para gerir Almada.

Não merecem então que tanta competência esteja ao seu serviço. Como as pessoas são ingratas e maldizentes!Será mesmo isto? As populações são ingratas e maldizentes? Não nos parece!

Se atentarmos nos últimos resultados eleitorais autárquicos de 2001 no concelho de Almada, relativamente aos de 1997, verificamos :

-que o nº de inscritos baixou 5406 e o nº de votantes diminuiu 10094, aumentando a abstenção. -que o nº de brancos e nulos não sofreu grande oscilação.

-que esta autarquia foi eleita com menos 7621 votos do que nas eleições de 1997, tendo mesmo assim obtido maioria absoluta e que a coligação/partido que a elegeu foi a/o mais penalizado em votos e em termos percentuais.

Face a estes resultados, parece-nos que os autarcas eleitos o foram em grande parte por votos "de residuais e incondicionais apoiantes" devido não só à elevada abstenção que se tem vindo a verificar no concelho de Almada, mas também ao seu aumento relativamente a 1997, já que os não votantes seguramente não são fiéis da côrte que gere actualmente o município, pois se o fossem certamente não optavam pela abstenção.A população de Almada não se revê nesta gestão autárquica.

Muitos dos graves problemas que afectam a vivência diária não foram resolvidos. A titulo de exemplo poderemos citar a insegurança pública que as pessoas sentem a partir de determinada hora da noite, para já não referir mesmo durante o dia.

Estes eleitos subestimam a população, a massa, que aparece na sua óptica reduzida à simples condição de rebanho humano "conduzido" pela elite autárquica, sem direito a pensar, a não ser como aprendiz, balizada nos parâmetros, prévia e "superiormente" definidos pelos auto-intitulados "mestres e sábios incontestáveis", sem direito a divergir ou a opinar de maneira diferente.

Perante isto e o descontentamento que vai alastrando entre os almadenses por esta gestão camarária, qual tem sido a posição e o comportamento da oposição ?

Que postura tem adoptado?

Quer-se constituir alternativa a este "elenco autárquico " para servir, mas servir mesmo o concelho de Almada ou prefere continuar incógnita, escondida, sonolenta, envergonhada e alheia aos problemas das populações e do concelho?

Quer ser activa, estar ao lado da população descontente e ter o seu apoio nas próximas eleições ou continuar na situação de cómoda letargia hibernante, gozando de alguns "raios solares" que lhe deixam chegar, suficientes para manter a vida vegetativa e o status, e só despertar e "parecer" oposição em vésperas de eleições?

Já se questionou por que razão as pessoas não vão votar? Quer captar os votos dos abstencionistas?

Face à notória passividade e indiferença a que se assiste, quer-nos parecer que autarquia e oposição configuram ser farinha do mesmo saco! Almada está não só farta de uma gestão autárquica de marasmo, monocórdica e de "cosmética de progresso", como também de candidatos "pára-quedistas" das oposições.
Na verdade em Almada não existe oposição que se veja e que os almadenses sintam. A oposição em Almada, seja ela qual for, parece-nos estar sob acção de um daqueles gases entorpecentes e paralizantes que são incolores, inodoros insonssos e mortais.
Terá a actual autarquia algum destes "gases" a "actuar " sobre as oposições ou há acordos tácitos de cavalheiros entre oposição e o "status quo" instalado, para partilha de posições ou autarquias aqui ou acolá?Se há digam-no, sejam honestos, não escondam a verdade aos eleitores.
Se assim é, o melhor será então escolhermos outro concelho para viver! Será que os almadenses têm de chegar a esta conclusão? Por tudo isto até parece que só eles, os "eleitos" e os "oposicionistas", classes "elitistas", são possuidores de "Um Dom Supremo". Todos os outros são meros votantes e subordinados.
Almadenses, interessemo-nos pelo nosso concelho e pelo nosso futuro! Não deixemos o nosso futuro em mãos alheias! E todos nós temos responsabilidades pelo que de negativo e grave se passa no nosso concelho!

2 comentários:

Repórter disse...

E eu já dei a minha opinião no "post" anterior. Que mantenho.

Anónimo disse...

Saberá a oposição o que é ser oposição ?
Eles submeteram-se ao acto eleitoral, obviamente para serem eleitos, mas a sua finalidade não é a que nós pensamos.
Andam à procura de outras coisas.