terça-feira, abril 24, 2007

Estudo das Alternativas ao Triângulo da Ramalha I

- METRO SUL DO TEJO (MST) -
Avaliação dos Critérios Ambientais, Ruído, Património, Componente Social e Paisagem.
SUMÁRIO deste "post":
Matriz Multicritério - MST
1. Introdução
2. Descrição de Soluções
3. Descritores Ambientais
3.1. Ruído
3.1.1. Introdução
Caros Cidadãos Continuamos hoje a disponibilizar elementos do Estudo mandado fazer pelo Estado Português sobre as Alternativas ao Traçado do MST no Triângulo da Ramalha, correspondendo à exigência e Deliberação da Assembleia Municipal de Almada, ao Governo, de 10MAR2004. Esta apresentação permite aos cidadãos portugueses e estrangeiros, verem mais uma vez, que não estamos falando sem bases e que a razão nos assiste, quando defendemos aquilo a que temos direito como pessoas, cidadãos e residentes, para lá de todas as trapalhadas, tropelias e inverdades, protagonizadas pela CMA e sua Presidente e também por aqueles, que agora apressadamente, querem dar o dito, por não dito e o decidido por não decidido, como se nada tivesse sido decidido com fundamento.
O que não tem fundamento é quererem prejudicar os residentes das Ruas Lopes de Mendonça e José Justino Lopes sem argumentos válidos, impondo-lhes a Linha 3 nestas ruas, quando há uma Solução melhor. Este Estudo, como temos dito, foi apresentado publicamente no Pragal-Almada, em 16/06/05, pelo Prof. José Manuel Palma (AMB VERITAS, Ambiente, Qualidade e Formação) e Engª Cristina Laginha (Ferbritas). Para além destes, integravam a Mesa, o Vereador José Gonçalves e o Engº Laranjeira ( os 2 em representação da CMA) e Engº Marco Aurélio Martins (do Gabinete do Metro Sul do Tejo, em representação do Governo )
(clique sobre os doc. para aumentar e ler)
Pág. 0;1;2
Pág. 3 ; 4
Pág. 5 ; 6

8 comentários:

amigo da costa disse...

Vou seguir atentamente esta informação.

Anónimo disse...

O estudo é da responsabilidade do Estado Português, a decisão é da responsabilidade da Secretária de Estado dos Transportes, mas as tropelias são da Câmara Municipal de Almada e da sua Presidente. Edificante, sem dúvida.

Anónimo disse...

À margem do conteúdo aparentemente técnico deste "blog", encontra-se uma pseudo-sondagem que coloca a seguinte questão aos interessados: "De Quem é a responsabilidade do traçado e inserção do MST no meio do principal eixo viário da cidade de Almada?"

As opções de resposta são as seguintes:
Assembleia Municipal?
Câmara Municipal de Almada?
Câmara Municipal do Seixal?
Governo?
População Almadense?
Presidente da Câmara de Almada?

Esta questão será séria? Será que ela abona a favor da auto-proclamada justeza e seriedade do resto do conteúdo deste "blog"?

Penso mesmo a sério que não.

Senão vejamos: quando olhamos os resultados da votação desta pseudo-sondagem, para além da pergunta encontramos a seguinte pérola lirterária: "O MST é uma obra polémica que mereceu a contestação de muitos Almadenses e que vai custar aos contribuintes muitos mais milhões de euros devido ao atraso provocado pela falta de cedência dos terrenos pela CMA."

Então, meus caros e sérios amigos, em que ficamos? Querem aparecer como sérios defensores de direitos legítimos - e certamente que esses direitos são legítimos, afirmo-o com todas as letras -, aos quais, aliás, tem sido dado por iniciativa municipal todo o espaço possível para se afirmrem, e depois aceitam uma mentira destas? Então o atraso nas obras do MST deve-se ao facto de não terem sido cedidos os terrenos necessários à obra pela CMA? Será mesmo? E não sabem, sequer, que não é a CMA quem autoriza a cedência de terrenos? Que órgão será? Serão capazes de adivinhar?

Sejam sérios ... a sério! Não tentem atirar areia para os olhos das pessoas. E, retomo o meu comentário anterior: acho mesmo muito estranha uma posição que sustenta que o estudo realizado foi pago pelo Estado, a decisão tomada é da responsabilidade da Sectretária de Estado dos Transportes, mas no fim os malvados são a Câmara Municipal e a sua Presidente!

Seriedade? Sim, seriedade é mesmo o que vos mais falta.

Cumprimentos.

residente disse...

Caro ultimo anónimo(a):
1- Este blog não tem "conteúdo aparentemente técnico" vai apresentando entre outras coisas, os fundamentos do Estudo técnico, que permitiram à Secretária de Estado dos Transportes, tomar uma decisão correcta de entre as Soluções alternativas estudadas ao traçado do MST no Triângulo da Ramalha, conforme a CMA e a Assembleia Municipal de Almada exigiram ao Governo em 10MAR2004.
2. Não há qualquer pseudo-sondagem nem sondagem. Há meramente uma pergunta feita aos visitantes deste blog, à qual nem todos respondem. São livres de o fazer por todas as razões e até por eventualmente, não se encontrar aí a opção que desejariam ver. Portanto o resultado só nos diz que entre os que responderam à pergunta colocada, dentro das opções de resposta, x votaram na A, y na B,p na C..... e....z na F.
É tão simples como isto. Nada de generalizações.Entendido?
Na base deste simples critério, esta sondagem, quer nos parecer ser bem mais séria que os inquéritos e sondagens que a CMA tem feito para justificar o metro em Almada, onde as "fichas técnicas das mesmas" enfermam de viciação e depois os resultados são genaralizados.
3. Essa de " tem sido dado por iniciativa municipal todo o espaço possível para se afirmrem" na defesa dos nossos legítimos, direitos é para rir.
Não esquecemos, nem os almadensese esquecem como esse espaço tem sido controlado e manipulado pela CMA.
Recordamos as sessões do Fórum ditos de Participação MST, onde fomos agredidos e insultados verbalmente por apoiantes da CMA com o silêncio da presidente que se encontrava na Mesa e nem uma palavra disse para acabar com os insultos e ofensas praticados por seus correligionários políticos, gente mal formada. Agradava-lhe que assim fosse para ver se nos amedrontavam. Entendido?
Sérios ? Somos.
A CMA andou a pedir decisões a tempo e horas, o Governo decidiu em JUL2005 depois a CMA não gostou da decisão e as obras ficaram paradas até que a câmara conseguisse uma solução do seu agrado, manter a linha 3 na R. Lopes de Mendonça,quando a Solução escolhida pela SET era a mais económica, de menor impacte ambiental e menos prejudicial aos residentes.
Quem vai pagar estes custos adicionais ? "O Zé".
Os moradores da Rua Lopes de Mendonça estão sendo enganados pelo Governo e pela cma, que exigiu uma decisão ao Governo e depois não a quis cumprir.
Este negócio é ruinoso para todos os contribuintes.

Cacilheiro disse...

Este Triângulo da Ramalha está para o Comboio assim como o Triângulo da Bermudas está para os aviões. Apesar das pessoas não quererem e tentarem evitar, o Comboio acaba sempre por voltar a Rua Lopes do Mendonça... Parece um filme... Por mais que os moradores protestem e mostrem que existe alternativa o comboio está sempre a cair-lhes em cima... Já basta em Cacilhas ...

Anónimo disse...

Para o anónimo anterior ou anónima (tanto faz) que parece ter participado em todos os fóruns (por dever de “ofício”, a avaliar pelo seu comentário…), convirá recordá-lo que os verdadeiros interessados na resolução dos problemas que afectam os Almadenses, participaram e participam de forma desinteressada e sempre pautaram as suas intervenções pela honestidade, regras da ética e honestidade intelectual.

Pelo contrário, os membros da mesa (Presidente da CMA incluída), nunca se insurgiram quando os residentes da Ramalha foram vaiados, apupados e insultados por parte dos elementos da assembleia (não sabemos se “convocados” se convidados…) e ficaram muito “ofendidos” quando um dos residentes se lamentou pelo facto de, em seu entender, tais fóruns configurarem um verdadeiro embuste.

Decorrido todo este tempo, já poderemos avaliar de que lado está(va) a razão…

• Do lado da CMA que sempre recusou a discussão do problema nas suas várias vertentes (técnica, económica, ambiental, etc.), pelo simples facto e não dispor de quadros técnicos especialistas na matéria, ou,

• Do lado dos moradores que sempre suportaram devidamente a sua proposta a ponto do Estado, no estudo comparativo que fez (como bem se demonstra neste BLOG), a ter reconhecido como a melhor?

Como pode a CMA, ou qualquer outra entidade dita de bom censo, impor aos munícipes um traçado que implica a construção DESNECESSÁRIA de, nada mais, nada menos, que 375 m (TREZENTOS E SETENTA E CINCO METROS) de linha de caminho de ferro em via dupla…

A troco de quê?

Não há um Tribunal de Contas que veja isto? (não conseguiu ver na Auditoria que fez…).

Não há um Ministério Público?

Não será um caso de polícia?

Todos os “políticos” que visitarem este BLOG, de forma espontânea ou por “dever de ofício", por favor, usem argumentos técnicos que possam suportar a “douta” decisão que pretendem impor pela força, à falta de outros argumentos …

De argumentos políticos estamos todos fartos pois ter uma maioria municipal não é sinónimo de ter a razão, e muito menos de dispor do direito de “esmagar” os mais justos direitos de alguns munícipes.

Se não querem ser o diabo não lhe vistam a pele… (isto a propósito dos malvados serem a CMA e a sua Presidente).

Há trinta e três anos dizíamos “nunca tão poucos fizeram tanto por tantos”, hoje poderemos ajustar…

“Nunca tão poucos fizeram tão mal a tantos…”

Hoje, que deveria ser dia de festa, afirmamos com tristeza que os Capitães de Abril não compartilharão dos desmandos que se estão a verificar em Almada.

Certamente que não fizeram o 25 de Abril para isto.

Repórter disse...

Permitam-me que convide o bom senso a visitar este blog - que é um dos que trata o problema MST com maior seriedade.
Na presença do bom senso, a qual desde já agradeço, pergunto aos leitores: a quem interessa o diz-que-disse?
Há só uma razão. Não pode haver duas.
No caso vertente - MST e o "Triângulo da Ramalha - há ou não alguns estudos, diferentes, de onde se tiram as melhores ilações para o melhor traçado?
Havendo, ao que se tem dito, um que será o mais adequado, a quem interessa evitá-lo? E porquê?
Tem-se falado muito desta questão. A Câmara, através de "ene" pessoas, tem vindo a espalhar poeira para os olhos dos residentes da zona que mais directamente vai ser afectada.
Nos fóruns de participação, aqueles em que é aparente uma privação de opinião, por que motivo a presidente e seus lado-a-lado não intervieram a mandar calar quem ofendia os directamente interessados?
Estranho a intervenção do(a) segundo(a) anónimo(a) deste "post". A sério que estranho.
Terá vindo aqui para "tirar nabos da púcara"?. Veio com o discurso encomendado? Pensa realmente assim?
Em qualquer das hipóteses, tenho pena de si.

Pode ir embora, caro bom senso. Porque eu também estou de saída e hoje ainda tenho muito para comemorar. Não, não é o 25 de Abril, sempre, mas sim o ideal do 25 de Abril, sempre". O que é substancialmente diferente.

Saúdo TODOS com amizade.

Anónimo disse...

Quero deixar o manifesto do meu apoio ao autor (es) deste blog, pois desde sempre se pautaram por uma correcção de procedimentos, principalmente ao disponibilizarem á população os documentos até agora mostrados.
Só por má fé, ou sei lá por quê, é que se pode duvidar.
E caros amigos, o pior cego é o que não quer ver.