sexta-feira, abril 20, 2007

Ainda as Verdades Documentadas : Uma Análise

Publicamos um comentário feito neste blog acerca do Estudo Técnico mandado fazer pelo Estado sobre as alternativas ao Traçado, abordando especialmente as Soluções 1 , 2 e 5 e o que CMA e Governo pretendem fazer na Ramalha, passando por cima dos argumentos técnicos fundamentados que indicam a Solução 5 como a melhor.
Note-se que o cateto do Triângulo, na Bento Gonçalves, Solução 5, é susceptível de ser aumentado até à dimensão do mesmo na Solução 1. Os falsos argumentos que agora apontam contra a Solução 5 "diminuição das condições de segurança, fluidez e fiabilidade do sistema do MST, uma vez que com as situações de congestionamento poderia verificar-se a ocupação do espaço canal", não passam de manobras de diversão, uma vez que os estudos anteriores foram feitos em sintonia com a Concessionária e esta na altura não colocou obstáculos. Até disse que a Solução 5 era a melhor.
Poderemos adiantar, que esses argumentos dos detractores da Solução 5 - CMA e Companhia..., porque há outras mãozinhas a mexer na massa, não têm consistência nem coerência.
Dizem : "poderia verificar-se a ocupação do espaço canal".
Ora isso poderá ocorrer em qualquer outro lugar do espaço canal sempre que a circulação automóvel passe sobre a via férrea, o espaço canal. O problema de fundo está na aberração deste traçado em espaço canal e a cruzar-se constantemente com automóveis com muitas passagens de nível.
Só o facto de não terem argumentos válidos contra a Solução 5 é que lhes permite dizer asneiradas, e revelarem tanta insenzatez, pensando que cidadão é parvo, idiota e não pensa.
Curiosamente e isto é de pasmar trocam o incerto, usam o condicional : "poderia verificar-se a ocupação do espaço canal " pelo certo : prejudicar os moradores na sua qualidade de vida e em muitos outros aspectos para sempre, ao manterem a Linha 3 nas Ruas Lopes de Mendonça e José Justino Lopes !
Onde está a racionalidade destes autarcas, governantes e actual Equipa de Missão do MST?
(clique no doc. para aumentar e ler)

Comparação esquemática dos traçados das Soluções1, 2, e 5

Um visitante anónimo disse:

"Os moradores da Rua Lopes de Mendonça, nos muitos fóruns em que têm participado (este Blog incluído), sempre pautaram o seu comportamento pela ética e pela honestidade intelectual, exigindo apenas que a proposta que fizeram em tempo oportuno fosse estudada, tal com as demais, de modo a que, de entre elas, fosse escolhida a que se apresentasse como a mais vantajosa.

O estudo comparativo das cinco propostas foi providenciado pelo dono da obra (o Estado), como o ofício do GMST documenta, tendo os especialistas aos quais foi confiado, utilizado três critérios dos quais resultaram as seguintes conclusões:

1) Análise da exploração e do traçado (Raio de curvatura, declive e tempo de percurso):Todas as cinco soluções são compatíveis nos critérios analisados…

2) Critérios ambientais (Ruído, Património, Componente social e Paisagem)A solução que se apresenta mais favorável é a 5 (Rua de Alvalade)

3) Custos : A solução 5 (Rua de Alvalade), apresenta-se como a mais favorável na medida em que é a solução com menos comprimento de espaço canal a intervir, cerca de 475 metros…

Quando colocada perante estes irrefutáveis factos (a proposta dos moradores venceu...), a CMA, em reunião de 11 de Maio de 2005, pronunciou-se no sentido de que a solução “mais vantajosa” seria aquela que retoma o traçado previsto no anteprojecto (solução 2).

Perante uma solução “mais vantajosa” cujas vantagens os moradores não conseguem vislumbrar, porque não tem qualquer suporte técnico, conseguirá a CMA apresentar publicamente o “estudo demonstrativo” que suportou a sua preferência?

Em democracia é assim! Discutem-se as ideias e após o estudo sério de todas elas escolhe-se a melhor. Melhor para os moradores, melhor para Almada, melhor para o País.

Temos todos a obrigação de defender, adoptar ou mesmo impor (quando necessário como parece estar a acontecer no caso em apreço), soluções devidamente suportadas por equipas técnicas, isentas e competentes, repudiando as opções políticas que, no caso em apreço, para além dos muitos incómodos que podem vir a causar aos moradores implicam a construção de mais 475 m de linha de caminho de ferro em via dupla, repetimos, agora por extenso, para confirmarem que não se trata de um qualquer lapso de escrita, de quatro centos e setenta e cinco metros de linha de caminho de ferro em via dupla, com o agravamento de custos daí inerentes…

Tenham dó dos moradores e de todos os cidadãos enquanto pagadores de impostos…Só assim a Presidente da CMA poderá dizer com legitimidade que "Foi tempo de dizer adeus à guerra, ... o povo é quem mais ordena"...

O povo somos nós, as pessoas com ideias e com ideais, pessoas honestas, trabalhadoras, críticas, construtivas.

Porque teima a CMA em não ouvir e aproveitar as ideias dos munícipes?

3 comentários:

Joao Soares disse...

Olá, vim do A-Sul e estou inteiramente de acordo 100% com o seu comentário.
Será bem vindo ao meu blogue,BioTerra, onde irei o mais breve possível,adiciona-lo nos "Blogues Amigos do BioTerra".
Um abraço (do Norte para o Mundo)
João Soares

residente disse...

Obrigado joão soares.
Já visitámos seu blogue.
Agradecemos sua visita e colaboração com a nossa causa através da divulgação de nosso blog. Assim seremos muitos a lutar pelos mesmos ideais e mais do que outros pensam.
Retribuímos o abraço.

Anónimo disse...

Grande panelinha está feita no caso do metro na Ramalha entre os accionistas cma, governo, equipa missão para prejuudicar os residentes.