sábado, junho 07, 2008

A Destruição de Almada já é uma realidade

A colocação da linha 3 do comboio MST nas ruas Lopes de Mendonça e José Justino Lopes, hoje ex-ruas, tem vindo a mostrar que os moradores tinham razão quando contestaram a inserção daquela no local.
As aberrações e os erros em desqualificação urbana são tantos e tão grandes que permitem a qualquer cidadão concluir que o que está sendo levado a cabo na zona da Ramalha por imposição da presidente da CMA é o pior que se tem feito em destruição urbana, atentado à mobilidade e acessibilidades dos moradores em todo o concelho de Almada por efeito das obras.
Os moradores no exercício dos seus direitos de cidadãos intervieram em local próprio e apresentaram uma solução alternativa.
Pela boca do vereador José Gonçalves, a CMA disse não ter qualquer incómodo relativamente a propostas alternativas desde que fosse o Estado, o dono da obra, a decidir conforme texto que reproduzimos: Extracto da Acta nº 3/VIII/2004 de 27/4/2004 da Assembleia Municipal:
Diz o Sr. Vereador Gonçalves, a fls 39:
"A Câmara Municipal e a Assembleia Municipal se me é permitido, porque tomou também essa decisão, não têm qualquer incómodo, relativamente a propostas alternativas ao traçado da Ramalha, pelo contrário, leia-se a decisão da Assembleia Municipal. O que reivindica é uma decisão de quem pode decidir e quem pode decidir é naturalmente o concedente que é o Estado Português relativamente a este projecto... . E o que defendemos naturalmente é que seja a melhor solução. Agora, quem tem de demonstrar essa solução, é, como todos percebem a equipa de projectistas da Concessionária que esteve aqui nesta mesma sala (Sociedade Recreativa União Pragalense) a falar com a população da Ramalha e que se comprometeu a voltar cá em momento posterior.”
Em reunião onde a CMA esteve presente, o Estado decidiu, escolheu "a melhor solução" mas a CMA não quis cumprir seus compromissos e não aceitou a que era melhor.
Os resultados estão à vista:
1- Está a ser feito nas Ex-ruas José Justino Lopes e Lopes de Mendonça, aquilo que nunca se deve fazer em suposta requalificação urbana.
2-Assiste-se a improvisações sucessivas numa obra com destruição de duas ruas e criação de dificuldades em acessibilidades e mobilidade aos moradores e a toda a população que precise de usar os caminhos locais.
Na Ramalha onde antes existiam vias de comunicação normais, no futuro negro existirão caminhos.
3-Os contribuintes estão a pagar um custo elevado e anormal pela destruição das duas ruas, a que se adiciona a realização de obras extras aberrantes, sem que daí resulte algum benefício para a população.
Por natureza e racionalidade estas obras não têm justificação, uma vez que o Estado mandou fazer um Estudo de várias soluções alternativas e escolheu uma perfeitamente viável e mais barata, a melhor solução, como foi reconhecido por técnicos da Concessionária.
Neste País ninguém é responsabilizado por gastar inutilmente dinheiro dos contribuintes?
As ex-ruas José Justino Lopes e Lopes de Mendonça constituirão no futuro um caso para estudo do que de pior se fez em Portugal numa cidade, por teimosia de uma presidente de Câmara, para impor um comboio desnecessário à população, no meio do principal eixo viário da cidade, descaracterizando-a e destruindo-a.

9 comentários:

Anónimo disse...

Porra ganham um metro à porta de casa e ainda se queixam???
Sortudos!!

Anónimo disse...

Um metro à porta de casa?? Diria que temos um eléctrico em cima dos quartos!!!
Com tanta sorte só não sei como não me sai o Euro Milhões...

Anónimo disse...

Para que é que eu quero o Metro à minha porta?
Para servir o empreendimeno junto ao novo trbunal?
Onde tinha muita utilidade era passar junto ao hospital, aí sim, serviria centenas de pessoas de todas as idades que precisam de se deslocar ao mesmo, sem terem de se sorrer ao serviço dos taxis que sai mais oneroso.
O anónimo não concorda, já pensou nisso?
Então faça uma reflexão e reconsidere o qu afirma.Não lhe fica mal mudar de opinião, depois de se aperceber desta situação.
Não lhe fica mal, já lhe disse.
"Só os burros é que não mudam"...

jj disse...

Os moradores da Ramalha ainda não perceberam que a passagem do metro da Câmara Municipal pelas ruas em causa só vem mostrar a mesquinhez intelectual da presidente da Câmara.
É um acto de pura vingança da dona emília, em colaboração do Partido Socialista à posteriori.
O PS não está interessado em ser oposição.
Dividendos falam alto na CMA e por outros lados.
Perceberam?

Anónimo disse...

Também não vejo outra Justificação.

A passagem do metro pela Rua Lopes de Mendonça e Justino Lopes serve apenas os grandes interesses económicos em vez de servir a população que mais precisa dele.

-SMAS
-PSP
-Escola Fernão Mendes Pinto
-Toda a População do Pragal Novo e -Velho
-Hospital Garcia Orta

Se a Presidente da CMA tem optado por esse trajecto aí sim estava a servir as Populaçoes e a retirar muitos milhares de viaturas da via pública.

De outro modo está a servir-se do Metro e a servir alguém com grandes interesses económicos no concelho.

Anónimo disse...

Parabéns ao autor do Blog !!!

A forma bem documentada e evidente como aqui demostra a todos os Almadenses como é que a Presidente da CMA e o Vereador José Gonçalves nos mentiram e nos enganaram merece o meu aplauso ...

O nariz deles já deve ser maior que o do Pinóquio...

Para além de mentirem, são cobardes, não assumiram e nunca mais deram qualquer explicação aos moradores e população da Ramalha.

Agora andam para ai com uma propaganda a que chamam
"Palavra Aberta"...

É só conversa da treta ..

residente disse...

Os moradores da Ramalha pelo interesse que mostraram e nas diversas intervenções que fizeram em locais próprios, pela sua presença constante em Forae ditos de participação do MST e nas Assembleias Municipais têm consciência que há "rabos-de- palha" e interesses ocultos duvidosos ( económicos, jogos políticos ou politiqueiros ) para que a linha 3 tenha sido colocada nestas duas ruas da Ramalha, destruindo-as, fazendo subir escandalosamente a despesa com a obra, com muros e realizações desnecessárias, perante a Solução 5 escolhida pelo Governo, mas recusada pela presidente da CMA.
Todos os argumentos técnicos que lhes apresentaram antes, que lhes diziam impossibilitavam outra alternativa foram desmacarados.

1.raio de curvatura da linha, que tinha de ser superior a determinado valor .
Os moradores apresentaram uma solução (Solução 5) com raio de curvatura maior que aquele que está na curva para a ex-rua Lopes de Mendonça.

2. o declive máximo de 8% para as vias férreas, não permitia a inserção das linhas 2 e 3 na R. de Alvalade.
Os moradores demonstraram que era possivel colocar as linhas nessa rua e de facto a linha 2(Corroios-Pragal) está lá e o comboio sobe e desce.

3. Desvio das agulhas de mudança de linha e sua lubrificação não seria possivel em curva e plano inclinado.

Esta situação existe na Av. Bento Gonçalves com a linha 2.
Tecnicamente era possivel solucionar, como foi resolvido e nos disseram engenheiros da concessionária em Março de 2004.

Infelizmente os moradores acreditaram que estavam a lidar com autarcas de palavra, mas não era assim.
Estavam a lidar com autarcas não interessados em servir e respeitar a população, autarcas que não se sabem respeitar, que não respeitam o que dissem.
Estavamos a lidar com autarcas que não têm vergonha em mentir.
São pessoas que não se portam como cidadãos nem desejam ser cidadãos, mas também não deixam e não querem que as pessoas sejam cidadãos e sujeitos interessados em participar na vida local.

Para os autarcas que temos em Almada ser cidadão e bom, é ser concordante com as acções da Câmara Municipal e da sua presidente, é ser cordeirinho obediente e não questionar sequer as suas emanações autoritárias.
Para a CMA cidadão politicamente activo é o cidadão correctamente passivo que admira e elogia o fogo de artifício, as marchinhas populares, que vai às manifestações organizadas pela CMA e sorri, sorri e venera, venera os autarcas como sumidades inquestionáveis do poder autárquico dito democrático.
Para a CMA cidadão exemplar é aquele que diz que tudo o que está mal em Almada é por culpa do Governo Central

Bom cidadão é aquele que sem questionar, criticar, emitir opinião, sem debater ideias, se rende, se inferioriza, se subjuga e estende a mão concordante ou fica à espera de um subsídio e, louva, elogia, aplaude estes autarcas, porque melhores... não há.
Este é o cidadão exemplar nesta democracia representativa em Almada, que vai sendo terreno fértil para uns poucos fazerem governos à sua maneira e eternizarem na cadeira do poder, quando antes criticavam outros, que faziam o mesmo...só que agora é democrático ditatorialmente.

Os moradores da Ramalha não têm ilusões quanto à ética politica e respeito por compromissos destes autarcas.

Ficámos a saber que a mentira faz parte do seu curriculum.
Os documentos apresentados, o que disseram e não cumpriram provam-no.

Não podemos nem devemos ficar calados perante estas mentiras e falta de vergonha.
O que é falta de vergonha nesta democracia?
Que democracia?

Ponto Verde disse...

Esta primeira fase do MST tem um traçado de País rico, ou seja , destina-se única e exclusivamente a show-off , propaganda ... posivelmente para promover mais betão!

O viaduto sobre a A2 é a montra da obra para quem vem ou vai para Lisboa, o traçado depois, em vez de servir o Hospital , os Bairros Sociais , o Instituto de Ciências de Saúde... vai direitinho até ao Monte da Caparica, sem utilidade nenhuma entretanto.

O mesmo na Cidade, em vez de ser subterrâneo, vá de o fazer passar à superficíe e bem no meio da via, não fosse alguém ignorar que Almada tem Metro.

Mais, o percurso Corroios - Cova da Piedade, em vez de passar na zona mais povoada e recente , vai passar na EN 10 , já servida de transportes públicos , e não serve sequer o Almada Forum... mas mais uma vez, a obra é visível, e fica bem é na principal via , mesmo que não tenha clientes.

Anónimo disse...

Na cidade do Porto, onde o traçado do Metro, tal como em Almada, foi todo, mas mesmo todo, adjudicado à superfície, vejam o que fizeram os responsáveis pela execução da obra.

No Porto, facilmente constataram que tudo à superfície, não! Seria uma aberração... Foram inteligentes, corrigiram os erros de projecto e a obra está agora à vista de todos, sendo um facto que "foi enterrada" sempre que os interesses dos moradores falaram mais alto.

Em Almada não. O Estado mandou estudar alternativas, e eis se não quando, a Solução 5 (a apresentada pelos moradores)vence todas as outras...
Aqui D´Elrei... as ideias apresentadas são sempre boas desde que venham do "partido"... vindas de terceiros (a custo zero, saliente-se), NUNCA poderão ser aceites pela C.M.A. mesmo quando "impostas" pelo dono da obra, o ESTADO PORTUGUÊS...
Foruns de participação... O que é isso?
Em terras de S. João (Almada), mandam os que cá estão (no poder, claro)...
Isto é a "demo-cracia" imposta aos cidadãos de Almada e muito particularmente aos moradores da Ramalha... ("Portaram-se mal", tiveram ideias diferentes, têm de ser castigados...)

A "obra prima" já começa a estar bem à vista de todos em qualquer parte do mundo...

Os muitos visitantes deste Blog já podem ver a aberração em:

www.maps.live.com

Depois de entrarem no sítio coloquem o endereço:

Rua de Alvalade, Almada, Portugal

Como qualquer imagem vale por mil palavras, podem agora avaliar a manifesta e comprovada incompetência dos autarcas que nos governam desde há mais de trinta anos...

Para quê estragar duas ruas (Rua de Lopes de Mendonça e de José Justino Lopes)quando o lado norte do Triângulo da Ramalha poderia ser construído numa zona verde, ao lado do Monumento ao Trabalho, como a imagem de satélite bem demonstra?

Seria bem menos prejudicial para os moradores e bem mais barato para todos os contribuintes...

Quem ganhou (ou virá ainda a ganhar) com esta aberração?