sábado, junho 21, 2008

Consequências de uma Obra Inútil

O passeio junto aos prédios pares da ex-Rua Lopes de Mendonça encontra-se destruído há 5 meses e o acesso às garagens impedido há mais de 6 semanas, dificultando as acessibilidades e mobilidade aos moradores.
No dia 19 de Junho um morador do nº 4, um idoso com 90 anos caíu à entrada do prédio devido ao estado do piso, apesar de ir acompanhado, tendo-se magoado no rosto e partido os óculos. Encontravam-se próximo do local alguns elementos da obra, de capacete branco.
O acompanhante do cidadão pediu ajuda para levantar o seu familiar, mas os tais senhores olharam e "puseram-se a milhas".
Dois trabalhadores que estavam um pouco afastados, deixaram o trabalho e foram ajudar.
1. As fotos seguintes foram tiradas no mesmo dia 15 de Junho de 2008.
A da esquerda mostra o estado em que se encontrava o piso frente à entrada da Capela da Ramalha.
A da direita mostra o estado em que se encontrava o estado do piso (na mesma data)à entrada do prédio nº 4, onde caíu o cidadão idoso.
clique sobre as imagens para aumentar

2. As quatro fotos seguintes foram tiradas, as duas primeiras à noite no dia 21 de Junho de 2008 e, no dia seguinte, com luz solar as outras duas. As da esquerda mostram a situação actual do piso, arranjado, à entrada da Capela da Ramalha As da direita mostram a situação actual do piso, por arranjar, à entrada do prédio nº 4 onde mora o cidadão que caíu aí.

3. Esta foto mostra também que além do piso estar arranjado em frente à Capela, já tem iluminação nocturna, enquanto a entrada dos prédios na ex - rua lopes de mendonça não está arranjada nem têm ainda a iluminação pública.
O desenvolvimento dos trabalhos para instalar nestas ex-ruas José Justino Lopes e Lopes de Mendonça o desnecessário comboio da presidente da Câmara, têm sido muito penalizantes para os moradores locais já que a desorganização e improvisação associadas à destruição das ruas é permanente.
Já conheciamos os efeitos da vingança da presidente da Câmara sobre os moradores com a sua "solução selvagem" de implantar aqui as vias férreas do MST.
Agora ficámos a saber e a conhecer que associado a tudo isso, também existe uma falta de respeito e atitudes desumanas perante os cidadãos, mesmo idosos com dificuldades de locomoção.
O facto de não ter sido prestada ajuda àquele idoso é provavelmente um natural reflexo de contaminação no pessoal responsável pela obra, de um complexo de culpa pela injustiça de colocar as vias férreas aqui.
Dar prioridade ao arranjo da calçada e iluminação em frente à Capela, onde ninguém reside, quando deveria ser arranjado o passeio em frente aos números pares da ex-rua Lopes de Mendonça, traduz muito bem a "elevada" formação cívica e humana de quem tomou essa decisão e o respeito que nutre pelo seu semelhante.
Há comportamentos e atitudes que são inaceitáveis em seres humanos.

20 comentários:

Anónimo disse...

JÁ NÃO HÁ VERGONHA? INACREDITÁVEL!

Anónimo disse...

Agora ficamos à espera que o "escrevinhador oficial da Câmara" venha dizer que é tudo mentira, que é calúnia.
Que o senhor idoso não caíu, que é tudo invenção, que os passeios até estão muito bons.
A culpa é dele, porque devia ter mais cuidado,não devia ter-se deixado cair, blá,blá,blá, etc.

Anónimo disse...

Vergonha?
Nunca houve!!!

E o "escrevinhador oficial da Câmara" deve andar a tirar mais um curso.
Está a ser-lhe difícil a última cadeira: aquela que se atira à cabeça.

Anónimo disse...

Para quê os bons acessos exteriores à porta da Capela, se não é possível a entrada dos devotos ao seu interior?

O soalho, desde há muitos anos, ameaça ruir...

O mesmo acontece com o telhado...

Em trinta e tal anos o antigo proprietário do munumento, a Câmara Municipal de Almada, só teve tempo para "cintar com cabos de aço" o edifício para evitar a sua derrocada, que só não aconteceu porque o seu "inquilino" (uma vez por ano), o santo padroeiro da cidade de Almada, o S. João da Ramalha, tem conseguido o "milagre" de o manter de pé...

Quem sabe se o actual proprietário, a Fundação do Padre Ricardo Gameiro, não consegue agora o "milagre" de reconstruir a capela todo o espaço envolvente com os próprios dinheiros que a CMA não quis gastar anteriormente...

Ganha o partido que detém a maioria absoluta na Câmara (o PCP, não vá algum leitor não saber qual é...) e ganha o Padre Ricardo...

Fácil não é?

Assim se ganham VOTOS e DEVOTOS!...

Anónimo disse...

O dinheiro gasto nesta vergonhosa "obra" que é o comboio na RLP e RJJL, dava para reconstruir quantas capelas?

Anónimo disse...

Estes autarcas não têm ponta de vergonha na cara...

É inaceitável que continuem a fechar os olhos a tudo isto e a colocar em risco a vida dos moradores, e de todos os municipes.

Que grande descaramento, tudo o que fazem é a caça de votos...

E o "Escrevinhador da CMA" como alguém muito bem lhe chamou, também não tem coragem para aparecer, só para não dar razão aos moradores ...

Temos que correr com esta gente nas próximas eleições..

Anónimo disse...

Só me admiro é o "Silêncio dos Inocentes" mais concretamente os proprietários das garagens. Não se vislumbra quando é que haverá acesso ás garagens (julho/agosto, ou sei lá quando) e continua tudo na mesma. Que eu saiba só um proprietário exigiu que os acessos fossem acabados o mais depressa possível. Os outros, calados e mudos, antes que o MST me usurpe o meu bem(A garagem).Por favor exijam os Vossos Direitos, protestem, falem, telefonem, escrevam. Isto é uma vergonha, o MST não passa cavaco a ninguém, não diz nada.

Anónimo disse...

MAS PARA ISSO É PRECISO QUE AS PESSOAS NÃO SE ABSTENHAM.

VOTEM NUM PARTIDO QUALQUER, MAS VOTEM!

É MENOS UM VOTO PARA ESTA CÂMARA QUE NOS TEM PREJUDICADO.

Anónimo disse...

Se isto é uma obra realizada em "trem construtivo" vou ali já venho...
Ainda se queixa o PC de falta de atenção dos "media". Quer dizer, queixam-se mas não muito...
É que, se fossem dar o eco merecido a situações como esta toda a gente perceberia que os seus "governos" não são muito diferentes dos da "Direita Neo-liberal". Talvez a maior diferença ainda se encontre nos "meios", que, há que reconhecer, são bastante mais "refinados" do que os da dita "Direita".

Anónimo disse...

Caro Sr Administrador deste tão louvável Blogge.

Gostaria que publicasse esta minha mensagem para que se pudesse auscultar a opinião das pessoas acerca do seguinte:

Prefere residir numa rua asfaltada com passeios antigos e degradados, com elevados níveis de transito automóvel, com velocidades de circulação elevadas, iluminação pública do tipo de uma estrada rural, estacionamento desordenado sobre os passeios de peões, arvores de má qualidade que sujam os pavimentos e viaturas,
ou :
Numa rua toda em calçada com transito automóvel condicionado com circulação de um meio de transporte silencioso e não poluente, colunas de iluminação novas e esteticamente agradáveis, bons níveis de iluminação estacionamento ordenado amplos espaços verdes constitudos por areas relvadas e especies adequadas de arvores ?

Um grande Bem haja.

Anónimo disse...

A minha dúvida é em que medida será o transito automóvel condicionado, se este meio de transporte será tão silencioso quanto isso, onde serão os espaços verdes e de que estacionamento fala...

MB disse...

Apesar de não ser o administrador deste blog, a resposta é fácil!

Em 1º Lugar, os passeios antigos não estavam degradados.

2º: o nível de transito automóvel vai-se manter o mesmo (no entanto na carta de ruído apresentada num fórum de "participação", a Rua Lopes de Mendonça até iria ter mais ruído!! Esta conclusão está lá no estudo encomendado pela Câmara, não estou a inventar).
Mas está fácil de entender o porquê do aumento de ruído, porque ninguem no seu perfeito juízo troca asfalto por empedrado, porque todda a gente sabe que o empedrado é muito mais ruidoso!

3º: aqui dou a mão à palmatória, a antiga iluminação era fraca. No entanto, agora está tão forte e tão próxima dos prédios dos nºs pares que da rua se pode ver o interior das casas do 1º andar. Onde é que está a privacidade dos moradores, uma vez que estes novos postes estão a iluminar os quartos dos moradores...

4º: Estacionamento desordenado havia, mas vai continuar a haver... basta ver o que acontece por toda a cidade, quando o nº de lugares de estacionamento foi drasticamente reduzido!

5º: ao menos tínhamos árvores enquanto que agora nada temos, e tendo em conta o que se vai vendo pela cidade, não parece que as novas árvores sejam assim tão melhores que as antigas.
a não ser que se armem em excentricos de 3º Mundo e ponham palmeiras novas como puseram em frente ao edifício da Câmara, o que revela um tremendo mau gosto e um total desenquadramento paisagístico com o resto da cidade.
Se as antigas sujavam os pavimentos e as viaturas, as novas também vão sujar, por isso com todo o respeito, acho que esta é uma falsa questão.

6º:Em relação ao metro, realmente não é poluente, mas silencioso??? qualquer pessoa que tenha o metro a passar à porta, numa zona em que hajam curvas no troço do metro, como no início e no final da Rua Lopes de Mendonça, sabe que ele é tudo menos silencioso, além de que mesmo quando ele está a rolar num troço plano e recto, produz ruído do rolamento dos carris!

7º: amplos espaços verdes e relvados? peço desculpa, mas no meu conceito de espaço relvado não entra calçada portuguesa, mas sim relva. no entanto a unica utilidade da relva é gastar água, uma vez que não produz sombra para que num dia quente como hoje, uma pessoa se possa sentar num banquinho e desfrutar de alguma sombra.

Cumprimentos

Anónimo disse...

O anónimo deve estar a brincar.
Onde é que os passeio estavam degradados?
Havia estacionamento em espinha para muitos carros no lado impar dos prédios. No lado par estacionava-se em cima do passeio realmente. Isso é verdade.
E sabe porquê?
Os passeios eram demasiado largos o que dava para fazer estacionamento em espinha como no lado impar.
Muitas vezes e durante vários anos foi pedido à câmara que satisfizesse esse nosso desejo.
Mas a Câmara nunca acedeu a isso.
A câmara já sabia o que estava projectado para esta rua. Mas não dizia nada. Assim foi protelando esse pedido.
Então na impossibilidade de não ser satisfeito o nosso pedido e como o espaço era demasiado e não prejudicava ninguém, as pessoas foram resolvendo o problema da falta de lugar para estacionar.

O anónimo sabia disto?

O anónimo não faria o mesmo se aqui morasse?
O anónimo nunca estacionou seu carro em cima do passeio?
A não ser que não tenha carro. Não há ninguém que o não tenha feito, não é verdade?

Foram vários anos a pedir à câmara mas sem resultado.
Agora acontece que temos que andar a disputar os lugares com os moradores dos prédios vizinhos, que se sentem assim prejudicados.

Boa tarde.

Anónimo disse...

Aqui vai uma achega, NÃO DO AUTOR DO BLOG, MAS DE UM RESIDENTE, para a salutar discussão pretendida pelo anónimo de “Junho 26, 2008 3:10 PM”:

O meu caro anónimo, a quem certamente encomendaram esta sua intervenção, ainda não percebeu que:

1 - As obras que fizeram nas Ex-Ruas Lopes de Mendonça e de José Justino Lopes eram perfeitamente desnecessárias, como ficou bem demonstrado no estudo comparativo das alternativas mandadas estudar pelo dono da obra, o ESTADO? A melhor alternativa foi apresentada pelos moradores. Recorda-se?

2 – Tais obras, perfeitamente desnecessárias, impostas pela C.M.A. e aceites pelo Estado (vamos lá saber porquê), custaram ao erário público 1.200.000.00 Euros, isto sem quaisquer extras, como as obras à pressa para os festejos de São João da Ramalha, pois, num só dia, os moradores contaram, pasme-se, 32 (TRINTA E DOIS) trabalhadores junto à capela do dito Santo, para a C.M.A. agradar ao Padre Ricardo Gameiro, presidente da Fundação com o sei nome… (como alguém já aqui afirmou, “ASSIM SE GANHAM VOTOS E DEVOTOS”…

3 – Enquanto os meios do ESTADO foram “desviados” (a isto chama-se peculato) para as obras de limpeza da Capela e dos demais espaços que a circundam (PROPRIEDADE PRIVADA), foram descuidados os mais elementares direitos de acesso dos moradores às suas residências?
Sabe qual foi o resultado? Eu digo-o agora, a si caro anónimo, a todos os Almadenses, a todo o País e a todo o mundo que visitar este blog: O CIDADÃO MAIS IDOSO, RESIDENTE NA RUA LOPES DE MENDONÇA, HOMEM COM IDADE SUPERIOR A NOVENTA ANOS, CAÍU DESAMPARADO À ENTRADA DO PRÉDIO, PARTIU OS ÓCULOS, ISTO PARA ALÉM DE TER FICADO MUITO MAL TRATADO NA FACE COMO RESULTADO DE TÃO APARATOSA QUEDA…


Passemos então às “vantagens” que referiu e qual foi o verdadeiro responsável pelas situações:

a) Residir numa rua asfaltada com passeios antigos e degradados…

Passeios antigos porque têm mais de vinte anos, degradados porque a C.M.A. os deixou degradar, pese embora o facto dos moradores sempre terem pago os seus impostos…

b) Com elevados níveis de trânsito automóvel…

Talvez, porque a C.M.A. assim concebeu a circulação do trânsito, pois por ali passaram, durante muitos anos e durante o dia e a noite, todos os camiões carregados de cereais vindos da EPAC (Silopor) e da TAGOL…

c) Iluminação pública do tipo de uma estrada rural…

A Iluminação pública, SENDO DA PROPRIEDADE E DA RESPONSABILIDADE DA C.M.A., corresponde exactamente aquilo que, à data da sua construção (anos oitenta), exigiu do distribuidor de energia (EDP), então como agora, seu CONCESSIONÁRIO. Como pode agora qualificá-la como rural?

d) Estacionamento desordenado sobre os passeios de peões…

O estacionamento desordenado só o foi porque a C.M.A sempre recusou ordená-lo, mesmo quando os moradores o pediram formalmente… sendo um facto que, actualmente, qualquer estacionamento dito “selvagem” em cima de qualquer passeio deixa logo de o ser no momento em que passa a ser “taxado” pela ECALMA…

e) A árvores de má qualidade que sujam os pavimentos e viaturas…

Esta, para terminar, teve mesmo graça… Então não foram os “sempre competentes serviços da C.M.A”, no caso os serviços de jardinagem, que as mandaram plantar, ou plantaram e delas cuidaram de forma desmazelada ao longo de toda a sua vida? Se sujavam o pavimento e as viaturas porque não as mudaram por iniciativa própria (ou já pensavam na tramóia que iriam armar aos moradores, mentindo-lhes, sabendo que as obras do MST, viriam a pagar tudo…)?

Concluindo:

Acha o caro anónimo que, 1.200.000.00 euros depois, “numa rua toda em calçada com trânsito automóvel condicionado com circulação de um meio de transporte silencioso e não poluente, colunas de iluminação novas e esteticamente agradáveis, bons níveis de iluminação estacionamento ordenado amplos espaços verdes constituídos por áreas relvadas e espécies adequadas de arvores” as condições vão melhorar?

Como diriam os nossos irmãos brasileiros, “só contaram pra você”…

- O trânsito numa rua calcetada faz muito mais barulho…
- Silencioso, só se passar de “pantufas”, com não passa chia por tudo quanto é sítio especialmente nas curvas…
- Estacionamento ordenado, estamos conversados… Para mais de 100 (cem famílias) restaram oito lugares na ex-Rua Lopes de Mendonça…
- Amplos espaços verdes (no espaço canal), está-se mesmo a ver, são só para “esconder” a linha de caminho de ferro…

Tudo o resto é virtual em Almada, tal como se pode constatar, quer nos spots publicitários que têm vindo a ser difundidos na televisão (RTP 1), quer no encarte que foi distribuído com o semanário Expresso do passado fim de semana…

É assim, com esta “metodologia” (ESBANJANDO O DINHEIRO DE TODOS NÓS), que a C.M.A. “amordaça” a comunicação social…

Valem-nos os espaços de discussão como este blog, para que possamos ser “ouvidos” (lidos) em muitos sítios, muito para além de Almada.

Tal como o anónimo anterior, e aqui estou 100% de acordo, um grande BEM HAJA ao autor do blog.

Anónimo disse...

O anónimo das 3:10 Pm de 26 Jun, ou não vive em Almada, ou então conhece mal a situação em que os moradores vão ficar colocados.
Como todas os itens já foram respondidos pelos anteriores anónimos, só me resta desejar-lhe um bom fim de semana...sem ruido de comboio ( olhe que o ruido não é para desprezar, e como o comboio já está em circulação já sabemos como vai ser)

Anónimo disse...

Como era previsível,começou a selvajaria no estacionamento...

Anónimo disse...

para anónimo junho 28, 2008 8:45 PM

"selvajaria no estacionamento" a que se refere e onde?

Selvajaria fez a presidente da câmara aos moradores das ex-ruas JJLopes e LMendonça, aos almadenses e aos portugueses.
Aos moradores locais destruiu-lhes as ruas e piorou-lhes a qualidade de vida, aos almadenses dificultou-lhes a mobilidade e aos portugueses fê-los gastar mais uns cobres avantajados.
Foi 3 em 1 em Selvajaria.

Anónimo disse...

Sinceramente não percebo porque é não poluente o eléctrico da Maria Emília??
O eléctrico não utiliza energia eléctrica?
Querem ver que o comboio da Ti'Emília não anda com electricidade produzida com combustíveis fósseis!!!
Expliquem lá, se souberem, onde está o meio de transporte não poluente...

morador disse...

Hoje quando me levanto se abrir as janelas do meu quarto que tem vista previligiada para a linha do comboio na RLM, ouvesse com bastante nitidez a chiadeira que este faz na R.Alvadade que fica a +-350/400metros. Será que aqui vai passar de pantufas?

Anónimo disse...

Claro que a energia eléctrica consumida pelo comboio da D. Maria Emília também pode ser poluente...
Onde pode ser produzida a poluição?
Vejamos só dois exemplos:
Na Central Térmica do Carregado, que já provocou a destruição de algumas culturas (de melão) no Ribatejo...
Na Central de Setúbal, que já danificou algumas pinturas nos automóveis dos residentes e em muitos outros fabricados nas instalações da antiga Renault...
Um pouquinho de fuel de menor qualidade queimado (enxofre queimado), um pouquinho de dióxido de enxofre libertado para a atmosfera e aqui está a "receita" para uma potencial chuva ácida (ácido sulfúrico)...