segunda-feira, novembro 05, 2007

A "Revolta" do Governo contra a CMA

Em 9 de Maio de 2005 noticiava o Diário de Notícias que o Governo culpava a Câmara Municipal de Almada pelos atrasos no prosseguimento da obra MST, falando-se inclusive na aplicação de multas.
O Governo satisfez exigências da Assembleia Municipal, nomeadamente a fixação do novo traçado do MST no denominado Triângulo da Ramalha, através do Despacho 06.07/05SET de 22JUL2005 da Secretária de Estado dos Transportes, mas mais tarde veio ajoelhar-se aos pés da dona Emília, defraudando os residentes da Ramalha.
clique sobre os doc. para aumentar e ler
Esta notícia falava em multas a serem aplicadas à CMA por atrasar a obra.
Que multas pagou a Câmara de Almada?
Quanto fica mais caro aos contribuintes a satisfação dos caprichos da CMA e da sua Presidente?
Que contra-partidas houve entre CMA e Governo em prejuízo dos moradores da Ramalha?
Que ética e responsabilidade política por compromissos assumidos ?
Que respeito pelos cidadãos e residentes?
Porque se gastou dinheiro em mandar fazer estudos de propostas alternativas e agora o Governo aceita a solução Presidente da CMA-Marco Aurélio, a qual nunca foi presente aos moradores, com desprezo pela Deliberação de 10 de Março de 2004 da Assembleia Municipal de Almada e desrespeito aos residentes?

5 comentários:

Anónimo disse...

Então há vergonha ou não há?

carlos simões disse...

Depois do que Ruben Raposo escreveu num jornal regional há uns dias sobre o metro, que esperam os moradores do Governo e do PS?
A Maria Emília já o tem no bolso.
Só precisa de mobilizar os seus votadores e aguardar o fecho das urnas.

Anónimo disse...

http://www.moptc.pt/tempfiles/20070430150717moptc.pdf

Ponto Verde disse...

Só não percebo porque é que subitamente houve um clique e se apressaram a inaugurar o ruínoso buraco de 4 Km ... assim salvando a face da CMA, com Sócrates ao lado de Alfredo Monteiro e Maria Emilia juntos no seu belo metrinho...

Anónimo disse...

Devem ter dado início ao corte bolo em fatias democratizadas.