quinta-feira, novembro 15, 2007

Dois Triângulos em Contraponto

Nesta primeira imagem vemos um Triângulo ferroviário do século passado formado por três linhas: Lisboa - Figueira da Foz (lado a branco) Coimbra - Figueira da Foz Coimbra - Lisboa sem construções habitacionais no seu interior.
(clique nas imagens para aumentar)
Na segunda imagem temos um Triângulo ferroviário imposto, pela Câmara Municipal de Almada no presente século, aos moradores locais formado por:
Linha amarela : Cacilhas - Corroios
Linha azul: Cacilhas - Universidade
Linha verde: Corroios - Estação do Pragal
Este triângulo deixa residentes no seu interior, enquanto que a Solução dos moradores, aprovada pela Secretária de Estado dos Transportes, triângulo formado pelas linhas a vermelho, amarelo e verde não deixava quaisquer habitações no interior.
Como os autarcas e demais envolvidos no MST não tiveram mais imaginação, foram copiar soluções antigas, quer para os comboios, quer para as linhas... Vejamos só o segundo aspecto, as linhas e a sua inserção no território... O primeiro Triângulo, o do Século XX, ainda não urbanizado, tem no seu interior vinhas e canaviais.... Como se vê na imagem os responsáveis autárquicos da Figueira da Foz só têm autorizado a construção de habitações no seu exterior (canto inferior direito da primeira imagem). O segundo Triângulo, o do Século XXI,(segunda imagem) já urbanizado, tem no seu interior as famílias de vários edifícios, isto é, os iluminados autarcas de Almada preferem "oferecer" à população um triângulo totalmente urbanizado no seu interior... (A solução apresentada pelos moradores e aprovada pela Secretária de Estado até permitiria plantar alguns pés de videira no interior do Triângulo...) No primeiro caso, os autarcas da Figueira da Foz, contrariamente aos autarcas de Almada, ainda não conseguiram "vislumbrar" a comodidade das jovens mães, dos deficientes e dos velhinhos quando ficam confinados no interior de um qualquer triângulo, seja ele o Triângulo ferroviário da linha da Refer, Figueira da Foz Rossio/Coimbra, seja ele o Triângulo ferroviário do comboio regional, Almada - Moita. Talvez falte aos autarcas da Figueira da Foz um plano de Imobilidade XXI... Com tal plano até poderiam urbanizar o velho triângulo... Ao longo do tempo temos autarcas "ceguinhos" na Figueira da Foz, e autarcas com "olhos rasgados até às orelhas" em Almada...

15 comentários:

Anónimo disse...

Segundo o que a CMA propõe no RUMA a solução "6" seria legal?

http://www.sado2000.pt/noticia.php?codigo=473C3C5345326

Anónimo disse...

Deixe-me só fazer uma correcção de linguagem.

Um triângulo tem catetos que correspondem aos dois lados menores, quando o triângulo é rectângulo, isto é, tem um ângulo recto.

Para os outros casos, apenas deignamos por lados do triângulo.

Anónimo disse...

Não, anónimo, esta não devia ser uma correcção de linguagem. Devia ser uma correcção da profunda "ignorância" do autor deste blog.

E não me refiro - especificamente - à questão do nome dos lados do triângulo. Mas lembra alguma vez ao diabo fazer uma comparação destas? Para além de ignorante (ainda que se intitule engenheiro ...) o autor deste blog é hipócrita. Profundamente hipócrita!

Anónimo disse...

Nem todos são perfeitos . Há quem saiba assumuir erros e corriji-los. É uma virtude. Outras pessoas tão perfeitas são, pensam serem imaculadas, deuses, fontes inatas de virtudes. Isso é um defeito.

Ponto Verde disse...

O que têm em comum estrelas de Hollywood e os vereadores da margem sul ? Ver no a-sul a resposta ;)

Anónimo disse...

Devo, então, depreender que o anónimo que pediu licença ao autor do blog para fazer uma correcção de linguagem é o mesmo que cometeu o erro. Portanto, o próprio autor do blog.

Anónimo disse...

Mas oh gentes pensantes! O Metro Sul do Tejo é algum "muro"? Cerca alguém? Que conversa é esta afinal? Não vivemos nós absolutamente "cercados" de carros por todos os lados? Pelo menos as composições do Metro terão um horário mais ... previsível.

Deixem-se de tretas.

santos disse...

Cercados de carros?
Não! Estamos cercados por uma grande incompetência na Câmara de Almada perante o silêncio tenebroso de uma Assembleia Municipal passiva e concordante com o mal.

Anónimo disse...

ENTÃO NÃO É VERDADE QUE OS MORADORES DO TRIÂNGULO DA RAMALHA FICAM CERCADOS DE LINHAS DE CAMINHOS DE FERRO POR TODOS OS LADOS?

CERCADOS DE ÁGUA POR TODOS OS LADOS, PASSARIAM A VIVER NUMA ILHA! NADA MAU...

CERCADOS DE LINHAS DE CAMINHO DE FERRO PASSAM A VIVER NA "METROLÂNDIA DE ALMADA" E AS SUAS CRIANCINHAS VÃO DIVERTIR-SE POIS, A PARTIR DE QUALQUER DAS SUAS JANELAS, VÃO VER PASSAR MUITOS COMBOIOS...

IR A PARIS PARA QUÊ? EM ALMADA É QUE TEMOS O FUTURO...

QUANDO OCORRER O PRIMEIRO ACIDENTE, E VÃO OCORRER MUITOS, QUEM VAI TER A CULPA?

O CIDADÃO CLARO. O INCAUTO DO CIDADÃO QUE NÃO OBSERVOU AS REGRAS DE TRÃNSITO, NESTE CASO AS REGRAS IMPOSTAS PELA SINALIZAÇÃO FERROVIÁRIA...

POR ACASO OS AUTARCAS JÁ PENSARAM EM COPIAR E DIVULGAR (PAGANDO OS DIREITOS DE AUTOR OBVIAMENTE, E DINHEIRO PARECE NÃO FALTAR), A CAMPANHA PUBLICITÁRIA TELEVISIVA QUE OS NOSSOS AMIGOS ESPANHÓIS FIZERAM (OU AINDA ESTARÃO A FAZER) NAS ILHAS CANÁRIAS, CONCRETAMENTE NA ILHA DE TENERIFE, PARA "EDUCAREM" OS CIDADÃOS, ISTO É, PARA ELES APRENDEREM A VIVER E A CONVIVER COM O COMBOIO DENTRO DA CIDADE E NÃO SE DEIXAREM TRUCIDAR PELO DITO, QUAL "TORDOS" NA MIRA DA ESPINGARDA DE UM QUALQUER CAÇADOR?

A CONSCIÊNCIA DOS AUTARCAS SERÁ TÃO LEVE COMO O CHUMBO. AS FUTURAS VÍTIMAS (SE CÁ FICAREM) E OS FAMILIARES NUNCA LHES PERDOARÃO TANTA INCOMPETÊNCIA...

NÃO VENHAM DIZER QUE SOMOS PROFETAS DA DESGRAÇA...

O TRIÂNGULO DA RAMALHA PODERIA MUITO BEM SER O APROVADO PELA SECRETÁRIA DE ESTADO (E PODERÁ AINDA SE VIVERMOS NUM ESTADO DE DIREITO), EVITANDO-SE ASSIM:

- A CONFINAÇÃO DOS MORADORES...

- O SOBRECUSTO DE 1.200.000.00 EUROS DE VERDADEIRO DESPERDÍCIO...

COMO DIZ O POVO, GRÃO A GRÃO ENCHE A GALINHA O PAPO...

NO CASO EM APREÇO DIZEMOS NÓS, METRO A METRO ENCHE O CONCESSIONÁRIO O SACO...

E PARA ARRECADAR TANTO DINHEIRO É PRECISO UM SACO MUITO GRANDE...

Anónimo disse...

tenham juizo... que critiquem os custos, é uma coisa, agora que venham dizer que estas pessoas vão ficar numa ilha? Elas já estão numa ilha com vias rodoviárias a fazer o tal triangulo de que tanto falam!

O metro apenas será mais um veículo a passar por lá, sendo que faz bem menos barulho do que os automóveis que por lá passam.

As pessoas já vivem rodeadas por duas das principais vias de Almada, e por sinal das mais barulhentas, a Avenida principal e a cidade ostrava, um dos principais acessos ao Hospital.

Anónimo disse...

Criticamos, QUER os CUSTOS (que todos nós pagamos com língua de palmo, o anónimo anterior incluído), QUER a LEGITIMIDADE do traçado.

Continuamos a perguntar:

Onde, quando, como e por quem foi aprovada a Solução que esta a ser implementada (a Solução 6...)?

O anónimo anterior sabe? Se sabe é porque também fez parte do grupo dos "decisores" que alegadamente a terá aprovado...

Se não sabe, deve estar tão preocupado quanto demais cidadãos afectados, quer pelo traçado, quer pelo desperdício de dinheiros que o mesmo implica.

A cidade de Almada e os terrenos do domínio público municipal (ruas de Lopes de Mendonça e de José Justino Lopes, como quisquer outras...), não são nenhuma "coutada" na qual o seu "dono" põe e dispõe...

O que também preocupa os moradores é o facto de, até hoje, ainda não conhecerem o verdadeiro "dono" da "coutada".

Serão os autarcas que em sessão de câmara e posteriormnente em Assembleia Municipal "concederam/alienaram" o tal património ao concessionário, assumindo-se como "donos" da "coutada" ?

Ninguém faria melhor antes do 25 de Abril, que tanto reclamam...

Se assim não foi, a avaliar pelas informações veiculadas pelo Sr. Deputado do PSD, Eng.º Luís Rodrigues, que reuniu com o Vice-Presidente da C.M.A., Dr. José Gonçalves, o verdadeiro "dono" da "coutada" é o Concessionário e os autarcas mais não seriam que os "manageiros" do Alentejo profundo do antigamente, "obrigados" a cumprirem as "ordes" do "dono" da "coutada"...

Caro anónimo, se tiver informações concretas faça o favor de as divulgar, aqui, ou em qualquer outro lugar.

A comunidade pagadora de impostos (aqueles que pagam IRS sem pestanejar...) ficar-lhe-ão muito gratos.

Os Empreiteiros da obra, aqueles que só não fogem ao IRC quando não podem (ver declarações do Dr. Carlos Tomás), talvez fiquem incomodados por não saberem justificar uma sobrefacturação de obra desnecessária no valor de, não nos cansamos de repetir, 1.200.000.00 (UM MILHÃO E DUZENTOS MIL EUROS).

Vá lá seja amigo...

Se sabe o diz, fale...

Se não sabe, cale-se...

Muito obrigado em nome dos muitos residentes e pagadores de impostos, vítimas da prepotência e arrogância de alguns.

Anónimo disse...

Vejo que a participação neste blog é apenas restrita a quem sabe ou então não volte cá, sim senhor, ora aí está uma excelente forma de receber as pessoas mandando-as calar, mesmo que essa pessoa seja também ela um morador da zona.

Já percebi que é muito mais importante ouvir o deputado, ou melhor propagandear o deputado laranjinha do que ouvir o que os outros moradores têm a dizer, isto porque por acaso, mas só por acaso, poderá haver quem, não concordando com o traçado, discorde do argumento que as pessoas vão ficar entaladas pelo metro, quando as mesmas já estão entaladas pelos carros.

Foi isto que referi no meu anterior comentário, mas a cegueira das pessoas, e a ansiedade de cilindrar qualquer um que participe e não seja contra a CMA é tanta que até nos esquecemos que podemos estar a cilindrar o vizinho que por acaso até discorda do que se vai fazer, mas discorda dos argumentos utilizados. Com este método iremos longe nas reclamações...muito longe.

Anónimo disse...

Ora aqui está uma situação em que os dois comentadores anteriores estão de acordo, isto é, AMBOS não concordam com o traçado...

Até aqui tudo bem. Discordar é fácil.

O que foi bem mais difícil foi apresentar uma alternativa válida e os moradores apresentaram-na nas instâncias devidas e em tempo oportuno.

Mais, a alternativa apresentada (a solução 5), quando comparada com as demais alternativas (a defendida pela CMA, por exemplo), como actualmente se está a fazer com os aeroportos (OTA versus Alcochete), a proposta dos moradores foi a que apresentou um conjunto de melhores resultados no estudo comparativo que então foi efectuado, a ponto de SER APROVADA POR DESPACHO DA SECRETÁRIA DE ESTADO...

Todos estes factos e documentos estão publicados neste blog, documentos que nunca foram postos em causa ou desmentidos...

A cor dos deputados não interessa aos moradores, sejam eles os municipais, ou os da Assembleia da República...

Interessam sim os seus actos, que, no caso em apreço, não dignificam minimamente quem os vem praticando, pois, em bom português, todos eles têm feito da cara cú...

Quando lhes interessa, mostram acara aos moradores (aparecem na fotografia...). Quando não lhes interssa "mandam" recados...

Se assim não fosse porque razão os (i)responsáveis envolvidos continuam a omitir, quando, onde, quando e por quem foi aprovado o traçado que está a ser construído e que não corresponde a nenhuma das alternativas que foram estudas e apresentadas publicamente?

É só isto que está verdadeiramente em causa...

Quem decidiu?

Quais as "contrapartidas"?

Os moradores só querem saber isto, independentemente da cor dos deputados...

Anónimo disse...

Efectivamente, os moradores da Ramalha, de um modo geral, estão contra a C.M.A. mas é um facto que nunca tiveram, não têm, nem nunca terão a intenção de cilindrar um qualquer vizinho, quer ele concorde, ou discorde do que se vai ou está a fazer...

Com efeito, o que os moradores da Ramalha não concordam é com a postura incoerente da C.M.A., pois tem dois pesos e duas medidas (ou muitas mais), senão vejamos:

Sempre disse publicamente estar ao lado dos moradores e, nas suas costas e no escuro dos gabinetes do poder, "puxou o carro" do concessionário, "aceitando / impondo" o traçado do MST pelas Ruas de Lopes de Mendonça e de José Justino Lopes...

Mais recentemente, no caso das linhas de muito alta tensão (MAT) da REN, não fez nada que fosse do conhecimento da população quando o traçado esteve em consulta pública (foram publicados éditos), agora, também com lágrimas de crocodilo, vem "colocar-se" ao lado dos moradores afectados (embora só lhes dê conforto moral, não os apoia...).

Haverá nestas atitudes alguma coerência?

Neste último caso está ao "lado dos moradores" a ponto de pedir (?) a alteração do traçado da linha de MAT propondo mesmo a mudança de localização de dezoito postes, com os elevados custos daí inerentes, que, a ser aceite (?) todos nós pagaremos, obviamente nas tarifas de electricidade...

No primeiro caso, no Triângulo da Ramalha, qual a razão que leva a C.M.A. a não estar do lado dos moradores (como diz...), não cumprindo o Despacho da Secretária de Estado na adopção da Solução 5, quando daí resultaria uma economia de 1.2000.000 Euros, que, ao serem esbanjados, todos pagaremos à custa dos nossos impostos...

Haverá algum cidadão, que no seu juízo perfeito, entenda esta dualidade de critérios?

Quem nos ajuda a defender-nos desta (in)competente "maioria"?

Coitados dos moradores:

- Na Ramalha, só dormem das 2h00 às 5h00, ou nos intervalos entre a passagem de duas composições ferroviárias que, certamente, não passam de "pantufas" a uma velocidade que pode atigir os 70 km/h...

- Na Charneca, enquanto dormem (e não só) vão sendo atingidos pelos campos electromagnéticos devidos à próximidade excessiva das linhas de MAT das suas residências...

O futuro está a chegar a Almada, mas é um futuro muito cinzento para alguns cuja situação bem poderia ser minorada, não fosse a qualidade (fraca) dos autarcas que têm...

Anónimo disse...

permita-me discordar do "só dormem das 2h00 às 5h00" e "uma velocidade que pode atingir os 70 km/h..."

Na avenida as motas, os carros e os meios de emergência não param de todo.

As ambulâncias às 2 da manhã, vá-se lá perceber porquê, continuam a andar com a sirene ligada, e o barulho da sirene ouve-se muito mais ao longe e mais alto do que um metro.

Os bombeiros, sempre que descem a Avenida em marcha de emergência com o seu enorme buzinão que mais parece um navio, conseguem fazer uma avenida inteira em 30 segundos e mesmo assim não desligam a buzina sejam 10 da manhã ou meia noite.

Em situação normal, i.e. sem obras, não existe na avenida nada que pare a velocidade excessiva dos carros, e muitos ultrapassam os 70kms quer a descer junto às nossas casas, ou a subir junto às bombas de gasolina.

O problema, a meu ver, no caso da nossa zona, é que efectivamente faria todo o sentido que as linhas se juntassem na avenida em vez de romperem AINDA MAIS um bairro que por si só já sobre de problemas de mobilidade/trânsito em demasia.

Se a isso juntarmos os menores custos associados à obra melhor ainda. Será óbvio que os interesses estão instalados em todos, sim porque se lá na "santa terrinha" quando acontece alguma coisa destas os deputados da oposição fazem de tudo para mostrar a público podr A+B que isto se passa, aqui não tenho visto o mesmo, ou pelo menos com a mesma capacidade de denúncia.