terça-feira, fevereiro 12, 2008

A Rua da Vingança da presidente da Câmara Municipal de Almada

Quem quis/exigiu que duas ferrovias fossem colocadas nas Ruas Lopes de Mendonça e José Justino Lopes para prejudicar os moradores, quando havia uma melhor solução:

Maria Emília de Sousa Neto

(Presidente da Câmara Municipal de Almada)

AQUI ERA A RUA LOPES DE MENDONÇA
A ex-Rua Lopes Mendonça depois de "lavrada" por imposição da presidente da Câmara Municipal de Almada
Esta Rua, que foi localizada na Ramalha, Pragal, Almada, foi o lugar eleito pela presidente da Câmara Municipal de Almada para despejar a sua raiva, irritação e vingança sobre os moradores locais, destruindo-a com a implantação de duas ferrovias de seu comboio, por os moradores terem ousado colocar em prática o seu direito ao exercício de cidadania, apresentando e defendendo uma melhor solução que a da Câmara Municipal, para o traçado do Metro Sul do Tejo (MST) no designado Triângulo da Ramalha, solução essa que mereceu a aprovação do Governo.
A face perversa da autarca prevaleceu, em conivência com outras pessoas, renegando seus compromissos publicamente assumidos com os moradores e com a população almadense, em prejuízo do Estado, que vai gastar mais dinheiro e, dos moradores, que vêem a sua qualidade de vida e acessibilidades locais agravadas, com o ruído e a trepidação do comboio naquela que foi a sua rua e que a presidente da CMA entregou à Concessionária para exploração do MST.

25 comentários:

Anónimo disse...

Aqui está um bom exemplo do "ESTADO" a que o nosso ESTADO chegou...

Assim vai a nossa democracia e o respeito pelos direitos de cidadania e participação dos munícipes...

O inimaginável aconteceu...

Estamos verdadeiramente no fundo!

Rafael Araújo disse...

Emília "A destruidora de Almada"

Francisco Ferreira disse...

Há uma coisa que eu não percebo. Esta obra não era muito mais cara que o "normal" porque implicava a subtituição e desvio de todas as infraestruturas sociais?
Na RLM não vejo nada disso; vejo o local futuro de passagem do MST a ser terraplanado com as sáidas de esgotos metidas no meio... À frente da capela da Ramalha acontece o mesmo...
Em mais nenhum local onde o MST foi implementado se procedeu desta forma! Acho que os serviços de água, gás, esgotos devem ser pelo menos subtituidos. Já nem digo desviados (apesar de que se isso não acontecer pode provocar um aumento do ruído para as habitações e do perigo da ifraestrutura em si)

francisco ferreira disse...

Alias, para além dos trabalhos de terraplanagem (que ontem provocaram um mini tremor de terra), na rua da capela da ramalha já se está a colocar os suportes para a instalação de cantenária sem se efectuar o desvio dos serviços.
Estão duas bocas de esgoto precisamente ao lado de um dos futuros suportes. Isto é sensato? Não é depois de os suportes estarem cimentados que se vai esburacar ao lado para desviar os esgotos. Acho que pelos menos temos direito a novas instalações, já que não temos direito a uma rua

Anónimo disse...

Perguntava-me um dos muitos anónimos que a mim se tem dirigido a que medidas eu me referia quando falava das condições de segurança do estaleiro.
Embora não seja imediatamente perceptível para mim qual o objectivo desta pergunta não gostaria de deixar de esclarecer o seguinte:
Existe legislação em vigor que regula as condições de segurança de um estaleiro de obra. Essa legislação impõe ao Dono de Obra e Empreiteiros por ele contratados diversos requisitos de que se destacam a obrigatoriedade de vedação das áreas de execução dos trabalhos e do parque de máquinas durante as horas de funcionamento da obra e fora delas, bem como uma adequada sinalização de segurança.
Estes requisitos legais de segurança tão importantes para a segurança dos moradores não estavam a ser seguidos na obra em curso na Rua Lopes de Mendonça.
Hoje foi corrigida esta situação por intervenção da autoridade de fiscalização competente nesta matéria.
António Viana

Anónimo disse...

Finalmente parece que alguem fez algo útil pelos moradores em contraponto aos que apenas acicatam a sede de vingança da Maria Emília

mário alves disse...

Se ela tem sede beba água.

Anónimo disse...

Muito obrigado pelo esclarecimento prestado pelo morador Sr. António Viana. efectivamente todas as ajudas são poucas e algumas delas chegam (chegaram)demasiado tarde...

Convirá esclarecer que muito mal vai um país, quando a fiscalização actua unicamente a "a pedido" de um morador, como parece ter sido o caso.

Então os custos inerentes à colocação de todas as barreiras de protecção, tendo em vista a segurança dos cidadãos, não foi orçamentada?

Claro que sim e certamente representa uma fatia de muitos e muitos milhares de euros...

Ao longo da obra e porque estes cuidados têm sido sistematicamente descuidados, muitos e muitos milhares de euros vão ficando nos cofres de algumas empresas quando não são colocadas essas barreiras e demais medidas de segurança...

Mais uma vez que se lixem a vida, a mobilidade e as condições de segurança dos cidadãos...

Tem sido este o modo de pensar e agir dos incompetentes autarcas e dos demais elementos que integram uma tal equipa de acompanhamento da obra, alguns, por sinal, até remunerados nessas doutas funções...

Acompanham o que?

Os resultados estão bem à vista.

Avançam de uma forma selvagem e nem respeitam os lugares dos cidadãos deficientes nos quais estacionam as viaturas pesadas da obra como os moradores têm constatado com frequência...

Onde estão os serviços de fiscalização do Ministério do Ambiente? Onde está a Polícia de Segurança Pública?

Os serviços de fiscalização não existem, ou se existem é só no papel, isto é, num qualquer quadro orgânico publicado num qualquer Diário da República...

Anónimo disse...

Então não foi publicamente divulgado que era perfeitamente indispensável que as infra-estruturas existentes no espaço canal teriam de ser desviadas?

A avaliar pelos comentários anteriores, como podem agora deixar soterrados em tal espaço as condutas de saneamento pluvial e doméstico que estão no eixo daquilo que foram as Ruas de Lopes de Mendonça e de José Justino Lopes?

Como podem deixar soterradas em tal espaço algumas outras infra-estruturas de gás, telefónicas de electricidade, etc....

Obras feitas a correr dão maus resultados...

Mas não há problema...

O Concessionário será sempre compensado pela sua competência ou incompetência atendendo a que, contratualmente, nunca poderá ter prejuízos... Assim, sim, merece a pena ser investidor (predador, diremos nós...)

Quanto às infra-estruturas, quando avariarem o zé povinho (a presa) paga, com mais uma taxa aqui, mais uma taxa ali...

Jose Mota Silva disse...

E o acesso as Garagens ????
Uma pouca vergonha !!!
Sem quaisquer condições de segurança Com aqueles "mamarrachos" de cimento colocados a frente!!!
Se te descuidas bates lá com o carro...
Eu não consigo tirar a minha carrinha da garagem...

Tenho duas crianças em casa se precisar de sair numa situação de emergencia como é que faço ???

São uns irresponsáveis .....

José Mota Silva

Anónimo disse...

oa moradores que se lixem porque os autarcas já cuidaram do seu futuro.
a obra do metro deixa muito dinheiro nos bolsos de alguns deles.
Técnicos da obra confirmam que a destruição das ruas na Ramalha era desnecessária.
Continua-se a ganhar dinheiro facilmente em Almada à conta dos municipes.
Está uma quadrilha em acção.É um fartote de vilanagem desta malta do PCP

Anónimo disse...

Concordo com este anónimo
Eles constituem um clube de elite de miséria especializado em esfolar os cidadãos.

ramos de almeida

Anónimo disse...

Já que alguém não identificado mas que suponho ser um morador referia que " as ajudas são poucas e algumas delas chegam (chegaram)demasiado tarde...", gostaria que ficasse claro que os trabalhos de risco na Rua Lopes de Mendonça se iniciaram no Sábado dia 9 de manhâ, comuniquei as irregularidades Domingo dia 10 por e-mail, os serviços reportaram internamente os factos Segunda feira dia 11 e a fiscalização interveio em obra Terça feira dia 12, tendo a situação sido regularizada nesse mesmo dia.

Ou seja, escrever inverdades como resultado do desconhecimento dos factos ou com propósitos inconfessados é um direito que a todos assiste e que tem sido amplamente utilizado.

Agir na resolução de problemas tem sido pelos vistos bastante menos frequente.

Passo a transcrever na integra correspondencia trocada com a Autoridade para as Condições de Trabalho.


From: ACT - Centro Local da Península de Setúbal [mailto:cl.peninsula.setubal@act.gov.pt]
Sent: quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2008 11:43
To: António Viana
Cc: Mario Rui Almeida e Costa
Subject: RE: Condiçoes de Segurança de Estaleiro de Obra em ALMADA

Exmo Senhor

Relativamente ao assunto deste e-mail, encarrega-me a Sra. Directora deste Centro Local de informar V. Exª. que a intervenção destes Serviços mereceu o melhor acolhimento por parte dos responsáveis do MetroLigeiro- Construção de Infra-estruturas.ACE que, implementaram medidas e prestaram esclarecimentos relevantes (ver anexo).
Informa-se ainda V. Exª. que as obras do Metro tem sido e continuarão a ser acompanhadas pela ACT, com visitas aos estaleiros, durante o ano de 2008.

Com os melhores cumprimentos.


O Chefe de Secção,

Manuel Clemente





________________________________________
De: António Viana [mailto:valeviana@netcabo.pt]
Enviada: seg 11-02-2008 14:01
Para: ACT - Centro Local da Península de Setúbal
Assunto: Condiçoes de Segurança de Estaleiro de Obra em ALMADA

Á Autoridade Para as Condições do Trabalho

Exmos Senhores,

Tendo constatado uma situação grave de segurança de estaleiro na obra que a MST ( Metro Sul do Tejo ) tem em execução na cidade de Almada e em particular na Rua Lopes de Mendonça desta cidade, venho comunicar-vos tal facto e solicitar caso assim o entendam uma rápida fiscalização e intervenção no sentido de repor condições de legalidade e segurança na obra.

De facto ontem Sábado dia 9 de Fevereiro, um ou mais dos empreiteiros e subempreiteiros envolvidos nos trabalhos procederam ao levantamento do revestimento betuminoso daquele arruamento, tendo interrompido os trabalhos cerca das 12.00 horas sem que o tenham retomado quer de tarde quer no dia seguinte ( hoje Domingo dia 10 de Fevereiro).

Assim sendo, o local foi abandonado pelos trabalhadores sem que fosse acautelada a segurança do estaleiro, já que foram deixados as escavadoras sem estarem em recinto vedado e não foi protegido ou sequer sinalizado o desnivel de mais de 50 cm das saídas dos predios de habitação ( passeios de calçada ) para a zona agora escavada ( antiga faixa de rodagem) .

Esta situação é tanto mais grave já que os moradores necessitam de fazer o atravessamento daquela zona, uma vez que nem sequer foi providenciado um passadiço para o efeito.

Estamos perante uma situação de manifesto desrespeito pelas condiçoes de segurança de uma obra que se desenrola paredes meias com edifícios de habitação onde vivem crianças que assim vêm a sua segurança gravemente colocada em risco.

Anexamos algumas fotos tiradas cerca das 14.00 horas de Sabado para melhor elucidar acerca da situação.

Melhores Cumprimentos

António Viana

Rua Lopes de Mendonça, nª 6 - 4ª Esq.

Anónimo disse...

Aqueles que travaram e perderam a batalha da Rua Lopes de Mendonça estão agora calados e escondidos.
Quiseram ter protagonismo político e quem sabe ambição de ascenção pessoal.
Escolheram como aliados os autarcas e outros politiqueiros do PS. Pensavam que estes os iam ajudar a fazer frente á máquina comunista. Pobres ingénuos. Não viveram seguramente, ou não estavam atentos quando os "comunas" dominavam o país nos longinquos anos 70.
Acabaram por ser traídos pela própria máquina partidária em que se apoiaram, a tal que considera que aqui só há Camelos. Lá terá as sua razões.
Todos eles foram desmascarados.
Está provado que a motivação não era a defesa dos intereses dos moradores mas sim interesses partidários e pessoais.
Esses senhores foram incapazes de fazer algo quando a máquina destruidora da Maria Emília lhes rasgou o chão que pisavam, os obrigou a atravessar a eles e seus familiares por entre uma selva de buracos e obstáculos, entre eles caixas de esgoto abertas ( como a do Seixal que a máquina "comuna" daquela autarquia permitiu que matasse uma criança).
Eles afinal são todos farinha do mesmo saco.

Anónimo disse...

Acho indecente que não se subtitua as infra-esturas enterradas na Ramalha. Antes circulavam automveis por cima das condutas de esgoto e gás... Depois irão circular comboios exactamente por cima das mesmas condutas com mais de 20 anos...
acho que a segurança da linha não está a ser assegurada na ramalha em particular.
note-se que as bocas das condutas em frente à capela encontram-se lado a lado com uma das futuras catenárias, exactamente no eixo da linha.

Anónimo disse...

Pois é ... só aqui as infraestruturas públicas das concessionárias não estão a ser substituídas.
Significa que num futuro mais ou menos próximo continuaremos a ter avarias e obras de reparação ou substituição parcial.
Temos que agradecer a esse Sr. Eurico e outros mentecaptos como ele que fizeram das nossas Ruas campo de batalha política.
Façam-nos um favor ....desaparecam.
Já prejudicaram suficientemente os moradores.

Anónimo disse...

Um desses senhores até dizia que o traçado foi de facto mudado.
Só que depois blá-blá-blá-blá-blá-blá.
Deve ser algo do tipo das velhas vitórias morais que antigamente existiam no futebol Português.
Só mesmo de quem é de facto muito mentecapto como referia o anterior interveniente.

st3veS. disse...

até no semanário SOL ja se fala da pouca vergonha que é a equipa da câmara municipal de almada!!


www.codificacoes.pt.vu

residente disse...

Constata-se que a ignorância de algumas pessoas vai-se revelando.
Tentam atacar agora os moradores na luta que com muita dignidade encetaram em defesa dos seus legítimos direitos de moradores e cidadãos.
Não se identificam o que revela uma pontinha de cobardia, a que já nos habituaram.
São iguais àqueles que nos dirigiram insultos em plenos Foruns MST com a benção da presidente da Cãmara aí presente e que colaborou nos insultos ao nada dizer aos prevaricadores seus correligionários.
Os moradores da Ramalha não têm vergonha de terem tido a coragem de enfrentar o poder instituído em Almada que se diz comunista e democrático. Demonstrámos com a nossa intervenção que Almada está sendo governada por gente autoritária que nada nem ninguèm respeita, mas tão só está desejosa de levar por diante toda a sua ambição totalitária sempre dizendo que é em nome do povo e em respeito pela democracia.
São mentirosos e pena é que alguns políticos embora de outras forças partidárias, ( entre eles os que em tempo criticaram o metro ) os apoiem sempre que está em jogo interesses pessoais ou noutros casos o vil metal sonante e a defesa de grandes empresas e do capital fácil à conta dos contribuintes.
Sim, porque este negócio do MST é ruinoso para Almada e para os contribuintes.
Esta é a democracia de conluio que temos em Almada e infelizmente também em Portugal.
Todas as ofensas que esses falsos democratas queiram dirigir aos moradores caem em saco esburacado.
Não ofendem a dignidade dos moradores porque eles (nós) sabemos bem o trabalho que fizeram (fizemos) e estamos de consciência tranquila. A ofensa é uma arma dos fracos e de quem não tem de facto dignidade.
Continuaremos aqui e sempre a defender nossos legítimos interesses de cidadãos e moradores indiferentes àqueles que nos pretendem humilhar, porque há muito tempo estamos nesta luta onde só a trafulhice, as negociatas, a mentira e a falta de ética política e social e diremos mesmo de moral e de respeito por compromissos assumidos permitiu a destruição de Almada e das ruas Lopes de Mendonça e José Justino Lopes.
Os moradores nunca foram vencidos porque quem mandou destruir estas ruas revela não ser digno dos lugares que ocupam nem terem respeito pelos seus compromissos assumidos e aqui di-lo-emos com toda a clareza para quem estiver interessado, consulte os boletins municipais e as actas da Assembleia Municipal e verá quem são algumas dessas pessoas.

Anónimo disse...

O que se passa com o prédio que está parado há anos na Rua da Liberdade próximo à Praça Cte José Bráz não será idêntico ao relatado pelo "Sol"?
O que se passou com o Terreno junto ao Tribunal Novo, doado para fins públicos e a Cãmara vendeu por sete milhões de euros, para o "bush nishe" Center Almada?
Que negócio de milhões!

Anónimo disse...

Assim não é difícil trer saldo positivo. Ela não gosta que digam que é uma boa negociante. Nos negócios é preciso fair play e legalidade. Esperemos que esteja a ser respeitada.
Nós cidadãos queremos mais informação, mas isso nem todos os eleitos conseguem. TEMOS A INFORMAÇÃO QUE PRECISAMOS, deixam escapar alguns habilidosos e maquiavélicos dirigentes.

Anónimo disse...

Os moradores da Ramalha (Ruas de
Lopes de Mendonça e de José Justino Lopes), felicitam a Jornalista Felícia Cabrita, do Semanário o SOL.

Como diriam os nossos irmãos brasileiros, bem merece ser parabenisada.

Há muito que era preciso abrir a "Caixa de Pandora"...

Perguntam os moradores (pese embora o facto de, por enquanto, ninguém lhes responder...), qual a razão que levou a C.M.A. a impôr um traçado do M.S.T. que é mais caro UM MILHÃO E DUZENTOS MIL EUROS?

Este dinheiro (uma fortuna), espoliado do erário público, também foi parar a algum "saco" partidário? Estilo SOMAGUE / PPD/PSD?

Válha-nos o SOL e os seus corajosos Jornalistas, pois graças a eles começou a "fazer-se luz" em Almada...

Válha-nos o Tribunal de Contas, que só vê as contas que mais lhe interessam, talvez só para "ajustar contas"...

Válha-nos o Sr. Procurador Geral da República, que dá seguimento e manda abrir inquéritos a todas as queixas dos cidadãos que em seu entender configuram actos ilícitos, gestão danosa, apropriação de bens públicos, etc...

Válha-nos o Tribunal Administrativo que dá seguimento às superiores decisões do Sr. Procurador Geral da República...

Válha-nos a "rapidez" do Tribunal Administrativo, que vai permitir que as obras se concluam, antes de tirar qualquer conclusão, sobre os actos que o Sr. Procurador terá mandado investigar...

Assim não, caros concidadãos!

Os três poderes instituídos do nosso pobre País não funcionam mesmo...

Porquê?

Porque, estando nós convencidos que o nosso regime democrático assenta em três poderes, o Legislativo, o Executivo e o Judicial, estamos todos redondamente enganados...

Temos mais dois, a saber:

O PODER DO DINHEIRO;

O PODER DA COMUNICAÇÂO SOCIAL,

O poder do Dinheiro, que tudo compra, até a consciência de autarcas e outros decisores e gestores da coisa pública, que têm de cuidar do seu futuro. Hoje são políticos, amanhã serão administradores);

O poder de alguma Comunicação Social, que, quando movida pelo poder do Dinheiro, só faz notícias das notícias que mais lhe interessam, mostrando-se na maioria das vezes, amordaçada, pelas instituições que garantem a sua sobrevivênvia através da publicidade paga(a C.M.A. por exemplo)...

Não será isto corrupção?

Mais uma vez, e porque o Semanário o Sol e as Jornalistas que nele trabalham fizeram o seu trabalho de uma forma isenta e correcta, os Moradores sa Ramalha aproveitam a oportunidade para lhes tirarem o chapéu. Bem merecem.

Se quiserem mais notícias que merecem uma boa investigação, façam o favor de consultar este blog e os documentos nele publicados s e NUNCA DESMENTIDOS pelos (i)responsáveis políticos que os subescreveram.

Certamente que antes do Verão, verão que estamos em presença de mais uns casos grave de corrupção...

POR FAVOR INVESTIGUEM. MERECE A PENA.

Anónimo disse...

Só uma pergunta.
Então isto aqui não era para se falar do triangulo ?
Desculpem, mas eu de politica .... perdão.... de trigonometria não entendo nada.
Ou será que o triangulo já se esgotou ?

Anónimo disse...

Leia por favor o comentário anterior e veja que se fala do Triângulo da Ramalha, ou não pode haver corrupção com triângulos, sejam da Ramalha e de vias férreas ou do MST.

Ramos Pinto

Anónimo disse...

Não, meu caro último anónimo...

O Triângulo da Ramalha, não se esgotou nem nunca se vai esgotar na memória das pessoas de bem que tudo fizeram para minimizar os inconvenientes de uma linha de caminho de ferro em via dupla no coração da cidade...

O mesmo acontecerá com a memória, desta vez com os remorsos, daqueles que, de uma forma perfeitamente ditatorial, estalinista mesmo, se recusaram a ouvir a razão daqueles que apenas exigiram que a proposta que apresentaram fosse comparada com as demais, algumas delas feitas com os pés, isto nas palavras de um Ministro da Obras Públicas de então...

Quanto à TRIGNOMETRIA, não fique triste, se não aprendeu ainda está a tempo, mas fique a saber desde já que, em termos de caminho de ferro ou de qualquer outra coisa, o Triângulo mais económico é aquele que apresenta os três lados mais pequenos, logo aquele que corresponde ao traçado que os moradores da Ramalha apresentaram... A SOLUÇÃO 5, recorda-se?

Quanto aos outros temas, e porque a corrupção em Almada, não está confinada ao Triângulo da Ramalha, ou ao caso relatado pelo SOL, fique descansado...

Ou não pode, porque tem telhados de vidro?

Como em tudo na vida, a verdade é como azeite, virá sempre ao decima...

É só uma questão de esperarmos para vermos...