terça-feira, abril 29, 2008

Desmontando a Trapaça MST ( II )

Aos dezassete dias do mês de Dezembro de 2007, pelas 21 H15, nas instalações da Sociedade Filarmónica Incrível Almadense, sitas na Rua da Sociedade Filarmónica Incrível Almadense, 6, em Almada realizou-se a Primeira Reunião da Sessão Ordinária da Assembleia Municipal (AM), referente ao mês de Dezembro.
Os moradores desta zona de Almada,têm apresentado aqui documentos comprovativos da sua razão no que defenderam e vêm defendendo, desmontando as mentiras e tropelias da Câmara Municipal e sua Presidente e outros autarcas, para impor aos moradores um traçado que não é o escolhido pelo Governo, após a apresentação pública, aos almadenses, das soluções alternativas do traçado do MST (Metro Sul do Tejo) para o local.
O traçado do MST no Triângulo da Ramalha foi questionado nesta Reunião da AM, conforme documento abaixo, pelo Deputado Municipal Nuno Matias do Partido Social Democrata (PSD), que revelou o resultado da uma reunião do Deputado à Assembleia da República Luis Rodrigues (PSD) com o Vereador José Gonçalves e uma de outra com a Secretária de Estado dos Transportes.
A - Na reunião com o Vereador, este nada esclareceu se estava ou não a ser cumprido o Despacho da Secretária de Estado sobre o traçado do MST no Triângulo da Ramalha.
A atitude do Vereador transparece algum incómodo da sua parte e mal estar perante a ridícula situação de um Despacho do Governo exigido pela CMA, não estar a ser cumprido por esta, ou o sonegar ardiloso da verdade
B - Na outra reunião, a Secretária de Estado dos Transportes acabou por dizer que foi a Câmara que deliberou propor ao Governo que o seu Despacho não fosse cumprido.
Ora a CMA havia dito que a Secretária de Estado dos Transportes, após a apresentaçã0 pública das 5 Soluções alternativas ao traçado do MST na Ramalha, tinha todos os elementos técnicos para decidir.
A Secretária de Estado decidiu, mas como não decidiu pela solução que a presidente da Câmara queria, a presidente achou que não deveria cumprir o Despacho.... e o Governo aceitou ser desautorizado e, permitiu que a Câmara Municipal de Almada prejudicasse os moradores e, se gastasse mais dinheiro dos contribuintes, já que a solução aprovada pelo Despacho era muito mais barata, de menor impacte ambiental e menos prejudicial aos moradores.
clique sobre os doc. para aumentar e ler
Nesta Reunião da Assembleia Municipal os moradores fizeram duas intervenções que podem ser lidas nas ligações: http://triangulodaramalha.blogspot.com/2007/12/moradores-foram-assembleia-municipal-ii.html http://triangulodaramalha.blogspot.com/2007/12/moradores-intervieram-na-assembleia.html
Os moradores da Ramalha, têm reproduzido e apresentado aqui documentos importantes que revelam quem são os intelectualmente desonestos.
Aquele (s) que tem ( têm ) aparecido por aqui com provocações, só faz/fazem aquilo que sabem fazer e/ou lhes ensinaram na escola de partido único e controleiro de cidadãos.
Os moradores conhecem bem o comportamento desses elementos nas sessões do Fórum dito de Participação MST, onde algumas vezes foram insultados e agredidos verbalmente por correlegionários e apoiantes (dispersos na plateia) da presidente da Câmara e na sua presença, sem que se ouvisse uma palavra de reprovação da presidente aos seus "boys" e, nas Assembleias Municipais.

O comportamento destes elementos é o espelho das "amplas liberdades" defendidas pelos "democratas" da autarquia.

23 comentários:

Anónimo disse...

Oh sr. Eurico, então e o contraditório homem? Então em democracia não há lugar - e direito - ao contraditório? Se publica aqui a intervenção do Sr. Deputado Municipal Nuno Matias, porque não publica aqui também a resposta que, nessa mesma reunião, o Sr. Deputado Municipal obteve?

Mas eu ajudo-o, sr. Eurico. Aqui está a resposta ao Sr. Deputado municipal e ao sr. Eurico (e outro):

O Sr. Presidente da Assembleia Municipal:
“Sr. Presidente, Srs. Deputados Municipais;
Eu apenas me permitia dizer, na medida em que fui invocado duas vezes pelo Sr. Deputado
Municipal Nuno Matias e por dois Srs. Cidadãos, que relativamente ao Metro Sul do Tejo está
tudo explicado, está tudo dito, os eleitos têm toda a documentação sobre o Metro Sul do Tejo,
o Sr. Deputado Luís Rodrigues por mim enviado, tem toda a informação, toda a
documentação. Se quiserem continuar a bater no mesmo, não tenho nada contra, continuem.
Se algum cidadão quiser aprofundar, ir à Assembleia Municipal damos-lhe o dossier capaz de explicar as opções tomadas, as deliberações, garantindo da minha parte o seguinte, é que a
deliberação de Março de 2004 foi plenamente cumprida.
Ninguém obrigou ninguém. O Governo tomou a decisão no exercício das suas competênias.”

Depois venha-me falar de "educação"! E boa vontade!

O sr. é mesmo um mentiroso! Só olha aos seus interesses e ao seu umbigo. O que me espanta é ainda haver bem intencionados que o seguem. Poucos, mas há. E não me refiro ao Sr. Nuno Matias, esse está a fazer o papel dele. E você, sr. Eurico, nem sequer percebe que ele, o Nuno Matias, o está a utilizar a si para fazer (mal, aliás) o papel dele.

Que pena. De facto é uma pena ...

Anónimo disse...

O dono deste blog põe em causa a honorabilidade de diversas pessoas, a honestidade e brio profissional de outras tantas, fala claramente de desonestidade e faz insinuções a comportamentos passiveis de classificação correlacionada com corrupção, refere explicitamente o nome de figuras públicas e depois arma-se em santinho e diz que o seu principio é "a educação".
Este senhor só tem um nome É UM PALHAÇO.
Tenha ao menos consciencia da figura ridicula que faz com tudo isto seu palhaço.

Anónimo disse...

Há quem sofra muito com os documentos que os moradores da Ramalha divulgam para desmascarar o esquema do metro.

Anónimo disse...

O Sr. Eurico agora refere-se a ele como sendo "os moradores da Ramalha".
Lembram-se de De Gaule " Je suis la France".
Eurico Marques diria " Je suis la Ramalhe"
Existem frases que marcam uma época, epocas marcadas por grandes homens.
Dois bons exemplos: Charles De Gaulle em França e Eurico Marques na Ramalha.
Depois de De Gaulle a França nunca mais foi a mesma.
Depois de Eurico Marques a Rua Lopes de Mendonça quiça toda a Ramalha nunca mais será a mesma.
A história se encarregará de fazer justiça e imortalizar os grandes Homens.

Anónimo disse...

Caro Sr. Eurico Marques,
Venho a este blog para lhe dar um conselho amigo.
O Sr. já deve ter reparado que em politica quando se vence é-se popular, tem-se seguidores, admiradores e amigos. Quando se perde fica-se só isolado e abandonado. Olha-se para o lado e surpreendentemente desapareceram todos os que nos suportavam.
É por isso que os politicos quando presentem o que pode vir aí fazem uma coisa muito simples. Retiram-se.
Veja-se o que fez Guerres na noite das eleições, Santana ao fim de uns dias de governo, Marques Mendes e mais recentemente Menezes no PSD. Curiosamente no partido dos nossos bem conhecidos comunas isso nunca acontece e daí o ridiculo por que passam.
Isto tudo para lhe dizer que o Sr. deveria repensar a sua postura actual e evitar o desgaste ridiculo e agonizante a que se tem sujeitado. É só um conselho. Faça como entender

Anónimo disse...

Este último anóninmo, ao contrário do que pretende fazer crer, não fala de Política, que deve ser uma nobre arte, mas de politiquice, que é o que infelizmente enxameia pela generalidade dos partidos políticos portugueses, com uma honrosa excepção que ele próprio refere. O que, convenhamos, são realidades substancialmente diferentes.

Sendo eu um assumidíssimo opositor das ideias do sr. Eurico Marques, quer no que ao Metro Sul do Tejo, objecto primeriro deste blog, diz respeito, quer ao nível patidário, tendo aqui já criticado várias vezes a atitude politiquiera que ele assumiu quando foi candidato à Assemleia de Freguesia do Pragal como cabeça de lista de um partido, e ainda antes de tomar posse renunciou ao mandato por não ter ganho as eleições, não alinho, nem podria alinhar, por esta disfarçada tentativa de silenciamento que o último anónimo ensaia.

Conselho de amigo? Só se for de "amigo da onça". A política, reafirmo, deve ser uma arte nobre. O que a politiquice, obviamente, não é! Em política aceitam-se as diferenças de opinião, combatem-se se for caso deisso, e afirmam-se as nossas próprias opiniões. Em politiquice pensa-se, apenas e só, no nosso poder pessoal. É este o "conselho de amigo" que este anónimo aqui nos deixa. É, também, talvez este o pior dos males de que o nosso poder político dos últimos 30 anos enferma.

Anónimo disse...

Diria mais, o "desgaste ridículo" do sr. Eurico Marques resulta do ridículo da sua posição política, nada mais. Os excessos cometem-se em qualquer domínio da actividade humana, e provavelmente ainda mais quando se detem esta possibilidade de escrever "livremente" tudo quanto nos vem à cabeça sem sequer termos de nos identificar. Por isso, já houve excessos de linguagem neste diálogo e neste blog, de parte a parte aliás.

Mas esse facto não elimina o essencial: é que na vida, se quisermos efectivamente construir alguma coisa de novo e positivo, só com o debate das ideias, com o contraditório de que falava no meu primeiro comentário a este post, é que poderemos fazer o caminho.

A atitude de nos retirarmos quando sentimos que não temos apoio - estratégia utilizada por muito mais "políticos" do que os referidos pelo anónimo a quem me dirijo (a começar pelo falecido e quase sacrossanto dirigente social-democrata Sá Carneiro, que inaugurou esta triste forma de fazer "política") significa uma coisa única: a rejeição do primado do debate de ideias como processo de construção do sistema democrático, substituído por um "regime da chantagem emocional", que se caracteriza pela máxima "eu faço muita falta, sou o único capaz de vos resolver os problemas. Como não me compreendem ou não me aceitam, então bato com a porta para vocês verem como as coisas doem. Depois hão-de vir bater-me à porta porque eu sou o melhor". É isto, no essencial, que motiva o politiquiero (não o verdadeiro político) na sua actuação que se pretende cívica, mas que de cívico não tem rigorosamente nada.

Anónimo disse...

E como não há duas sem três, aqui fica mais um ponto de vista. Ter ideias diferentes, pontos de vista distintos, sobre as coisas da vida é, seguramente, uma das características mais genuínas e naturais do pensamento, logo dos seres humanos. Somos todos diferentes - ainda que todos devamos ser iguais em direitos - por isso é natural desenvolvermos racicínios e chegarmos a ideias também diferentes sobre essas mesmas coisas da vida.

Ter e afirmar ideias diferentes uns dos outros é, por isso, não apenas natural, como salutar. É isso que faz andar o mundo, é isso que nos fez e faz progredir na própria história da nossa evolução enquanto seres humanos.

Mas ter ideias exige a observação de um pressuposto de partida: o saber e o conhecimento. Aprofundados. Ter ideias resulta do estudo e da reflexão sobre as questões que nos são colocadas na vida, da nossa interpretação dessa realidade, e da consequente afirmação da ideia que resulta dessa reflexão. E do debate franco e aberto, livre, com as outras ideias. É a isto que se chama saber e conhecimento, que não são, por essa sua natureza reflexiva, jamais únicos e jamais definitivos.

Quando são os interesses imediatos, pessoais e mesquinhos, que se sobrepõem ao conhecimento e ao saber na formação das ideias, aí sim, caminhamos mal. E é este, tenho afirmado isso repetidamente neste blog, o grande desgaste que o sr. Eurico Marques tem imposto a si próprio. É que são os seus interesses individuais, egoistas, que no essencial dão forma e motivam as ideias que aqui expressa.

Por isso retomar aqui uma pergunta (que é mais um convite à reflexão, do que um pedido de resposta objectiva, sublinho) que tantas vezes aqui já deixei e nunca vi respondida: quais são os seus verdadeiros motivos, sr. Eurico? O que é que o move efectivamente nesta cruzada?

Anónimo disse...

Deixo aqui uma manifestação de simpatia pelos autores do blog.
Não moro na zona abrangida pelo já célebre "Triângulo", mas moro na cidade de Almada, desde sempre, e não posso, nem me devo alhear dos nossos problemas.
Já percebi que hostilizar os autores do blog, com ameaças mais ou menos veladas, é o que alguns anónimos pretendem , para fazer vingar os seus pontos de vista.
Mas caros anónimos, não é asim que se defendem os ponts de vista.
O insulto e a ameaça, já não são deste tempo.
Porque será que ninguém pode ter uma opinião diferente dos senhores?
O que move estes anónimos? o que os leva a ser violentos verbalmente?
A época do unanimismo já terminou, e a prática salutar do confronto de ideias é o futuro.

Anónimo disse...

Caro anónimo, se reparar toda a lógica subjacente a este blogue é a do insulto e difamação, que tem sido uma arma amplamente usada pelo autor do blogue.
Não notou isso ?
O que espera ele ? Que retirem o metro da Rua dele ? Que o elegam Presidente da Junta de Freguesia ?

Anónimo disse...

Caro anónimo,
Então cada vez que um cidadão se indigna, seja por não querer um comboio na sua rua, ou por não querer uma linha de alta tensão na sua rua, está legitimado o insulto e a ameaça verbal ou fisica (fisica, porque já li isso mesmo)?
Não, não pode ser.
Ainda bem que hoje podemos reclamar de qualquer situação, mesmo a mais comezinha. A questão de quem tem razão... bem, como sabe há várias verdades.
Ainda não há muito tempo, é que a verdade era só uma, e não queremos isso, pois não?

militante psd disse...

O Sr.Deputado Nuno Matias,não precisa que ninguém faça o papel dele.
O Sr Presidente da Assembleia Municipal na pretendida resposta não respondeu nem clarificou nada.
Esquivou-se.

Anónimo disse...

Caro anónimo das 4:09 acha que o que escreve faz sentido ?
Então o Sr não sabe ou procura branquear os insultos de arruaceiro a suspeição não provada as acusações irresponsáveis que têm sido proferidas pelo Sr Eurico Marques neste Blogg ?
Isto tem alguma coisa a ver com o direito a debater e discutir ?
Esse Sr põe inclusivamente em causa verdades irrefutaveis de caracter técnico e cientifico só para denegrir pessoas e instituições.
Isto é o direito de que ? Indignou-se ? Pois muito bem , mas que tenha tento na lingua que já tem idade para ter educação e sentido de responsabilidade. Ele que não se comporte de forma a permitir todos os epitetos de que já foi alvo como garoto e outros.

Anónimo disse...

Anónimo das 8:50, então são mentiras os documentos aqui apresentados?
Os documentos são inventados ou são forjados?
Então já não acredita naquilo que vê?
Vá lá, tenha um pouco de bom senso e não queira enganar-se a si próprio.
Isso fica-lhe mal. E que pensarão os seus amigos quando o ouvem falar assim?
Boa noite.

Anónimo disse...

O Sr. Deputado Nuno Matias? Já é Deputado? Sabia que é Deputado Municipal, agora Deputado ...

Bom, mas o essencial é que este militante psd revela precisamente o contrário daquilo que pretende afirma: o sr. Nuno Matias precisa, e de que maneira, de que o ajudem a fazer o papel dele. Mas mais do que isso, precisa de utilizar outros para fazer o seu papel! Você, militante psd, confirma-o.

Anónimo disse...

Anonimo das 9:04, não queira fazer trocadilhos baratos.
Uma coisa são documento outra são julgamentos subjectivos . Certo ?
De facto nem todos neste mundo são estupidos ao ponto de confundir conceitos.

Anónimo disse...

Cadê os picadores ao serviço da Maria Emilia de S.Neto

Anónimo disse...

Vamos embora ..... entrem os bois.

Anónimo disse...

Então o gado ?
Deixaram de ter paixão pela tourada ?
Façam entrar o Eurico.

Anónimo disse...

O comboio/MST não chega ao Hospital.
O comboio/MST não vai à freguesia mais populosa de Almada.
O traçado é o que vai sair mais caro ao erário público.
O traçado ignora a configuração da cidade de Almada.
Por tudo isto, o que é que move os defensores deste traçado do comboio/MST ????

Anónimo disse...

Se o MST chegasse ao hospital (e há razões para não chegar, mas seria fastidioso e principalmente um desperdício brutal, estar aqui a explicar ...), seria porque não chegava à ... lua! Alguma razão teria que haver para esta gente dizer mal do Metro!

Mas há uma alegação que eu não consigo mesmo entender. O que é que significa "O traçado ignora a configuração da cidade de Almada"? Só consigo encontrar uma tradução: não há nada de jeito para dizer, inventam-se estas tiradas "brilhantes".

Este blog é que, ao contrário do que o seu autor afirma repetidamente, está cada vez mais assumido como um blog "anti-Metro Sul do Tejo" - que nada tem a ver com triângulos, muito menos com a Ramalha, e ainda menos com os interesses dos cidadãos de Almada! Mas o sr. Eurico, que a mim nunca me enganou, já não consegue enganar ninguém ...

Anónimo disse...

O último anónimo coloca bem a questão. Mas esqueceu-se de um pormenor, quiçá mais significativo. Diz o anónimo a quem responde que o metro não chega à freguesia mais populaosa de Almada.

Bom, interessante. Não chega? O MST serve as seguintes Freguesias (só no Concelho de Almada):

. Laranjeiro (bordejando o Feijó);
. Cova da Piedade;
. Cacilhas;
. Almada;
. Pragal;
. Caparica.

Não serve (directamente, isto é, as linhas não passam por lá) as Freguesias de:

. Sobreda;
. Costa da Caparica;
. Trafaria;
. Charneca de Caparica (esta deve ser a mais populosa ...).

Será preciso fazer contas relativamente à população (em número)? Se calhar não é!

Isto são desculpas de mau pagador. Não fazem a mínima ideia do que significa gerir um território, são crianças mimadas que olham a realidade apenas pela superfície, e depois inventam histórias.

Estou como o anónimo anterior. A costela de criança mimada desta gente chega ao ponto de inventar coisas tão profundas como a frase que ele questiona: "O traçado ignora a configuração da cidade de Almada", aproveitando para lhe dizer, olhe amigo, não tem nenhum siginificado senão o de servir de arma de arremesso conrtra a Câmara Municipal de Almada. Mas é uma arma a que lhe falta qualquer capacidade para exercer a função que se espera de uma arma: nem sequer mossa faz!

Anónimo disse...

Não sei se o Sr. Eurico (que pela animosidade e ódio aqui destilado deve ser alguém importante da oposição)tem razão, não sei se os 2 anónimos anteriores têm razão.
Uma coisa eu sei e é só por ser nado e criado nesta cidade, que é o de querer o melhor para Almada.
Continuo a pensar que o comboio/MST deveria entrar dentro da cidade em túnel.
Quanto ao traçado, para quem habita aqui , nota que as avenidas que ligavam o rio aos acessos a sul e norte estão práticamente mortas.
A configuração de Almada tem caracteristicas especiais e como tal deveria ter tido um tratamento especial.
Quanto "às crianças mimadas" e à "arma de arremesso", são argumentos de quem não tem argumentos.
Continuo portanto com as minhas dúvidas, ou seja, se pelas razões aduzidas e ainda pelo facto de ter sido a solução mais cara ao erário público (somos todos nós), o que move algumas pessoas a defender a solução mais cara,e com traçado no mínimo duvidoso?